Portuguese English French German Italian Russian Spanish
Início > Artigos

Artigos

  • A geleia

    Folha de São Paulo, em 12/07/2015

    Há duas semanas que não escrevo neste diário. E, pensando bem, já é hora de encerrá-lo. Comecei a escrevê-lo quando estava à espera de um acontecimento que realmente aconteceu. 

  • Evolucionismo cristão

    Folha de São Paulo, em 07/07/2015

    Os principais mestres do pensamento na década de 60 do século passado recusaram a doutrina de Teilhard de Chardin. Os conservadores a detestam quase histericamente, tachando Chardin de charlatão e, até mesmo, de analfabeto. 

  • Oceano sem fim

    Folha de São Paulo, em 30/06/2015

    Com tantos assuntos para comentar, com tantos escândalos a criticar, limitei-me a lembrar uma rixa bem carioca: a rivalidade entre os trens e os trilhos da Central do Brasil e da Leopoldina. 

  • Luta pelo poder

    Folha de São Paulo, em 28/06/2015

    Itaipava pertencia a outro universo, o da antiga Leopoldina Railway, que servia a região serrana, cujo núcleo principal é Petrópolis

  • O preço do diabo

    Folha de São Paulo, em 23/06/2015

    No "Primeiro Livro de Leitura", que era adotado nos cursos fundamentais de antigamente, havia um texto em que o Diabo compraria a alma de um homem, desde que o cara fizesse uma das três opções que ofereceu: matar a mãe, violentar a irmã ou tornar-se bêbado permanente. 

  • Tudo tem hora

    Folha de S. Paulo (RJ), em 16/06/2015

    Ele gostava de olhos verdes. Mas era daltônico. Quando se sentia atraído por uma mulher, todas elas tinham olhos vermelhos. Se houvesse olhos naturalmente vermelhos, ele obedeceria o sinal e teria vontade e coragem para ir em frente. Isso nunca lhe aconteceu.

  • Uma vaca profanada

    Folha de S. Paulo (RJ), em 14/06/2015

    Era uma vaca palustre e bela não, não era bem isso, era simplesmente uma vaca como todas as vacas costumam ou devem ser: admito que nunca me preocupo com vacas, meu arroubo pastoral nunca foi além da fazenda de Itaipava, mais pelo sino de sua capela do que pela fazenda em si.

  • Neymar e a Renascença

    Folha de S. Paulo (RJ), em 09/06/2015

    Houve tempo em que a rivalidade entre o Rio e São Paulo era letal, sobretudo no futebol. O Brasil era o celeiro de craques e o técnico Flávio Costa dava-se ao luxo de armar duas seleções para satisfazer as torcidas dos dois Estados. Muita gente reclamava, mas o Brasil ia em frente.

  • Louvor à marmelada

    Folha de S. Paulo (RJ), em 07/06/2015

    A palavra e o sentido não mais são usados, mas era frequente entre torcedores e alguns jornalistas. Significava um tipo de venalidade, então exclusiva aos jogadores e técnicos. Hoje, pode ser aplicada aos cartolas de vários feitios e nacionalidades. A palavra (marmelada) parece adequada.

  • Revoluções e reformas

    Folha de S.Paulo(RJ), em 02/06/2015

    Sem nunca falar em reformas e muito menos em revolução, Juscelino Kubitschek conseguira subverter as estruturas básicas da nação, através de seu Programa de Metas. Não mexera no estatuto do campo, não tocara na propriedade privada, não armara esquemas militares paralelos enfim, não se apoiara no tripé clássico de qualquer movimento reformista ou revolucionário.

  • Fofoca contra a Fifa

    Folha de S.Paulo (RJ), em 31/05/2015

    Ao longo da história, os fofoqueiros de todo o mundo quando querem denegrir um homem, sobretudo quando esse homem é uma autoridade, costumam iniciar a maledicência com um aviso cauteloso: "conto o milagre mas não conto o santo".

  • Ainda bem

    Folha de S. Paulo (RJ), em 26/05/2015

    Quase no final da Segunda Guerra Mundial, o coronel Stauffenberg conseguiu entrar numa das tocas em que Hitler, reunindo membros de seu Estado-Maior, examinava mapas com as últimas informações de seus exércitos. O coronel fazia parte da Operação Valquíria, destinada a matar o tirano. 

  • Roubar de mim mesmo

    Folha de S. Paulo (RJ), em 24/05/2015

    Na segunda, jantar no Cipriani, com Cândido Mendes, Hélio Jaguaribe e senhora, bom papo, até tarde. Domingo passado, nem lembro mais, fiquei pela primeira vez atrasado com as crônicas, pois tive de terminar a duras penas o trabalho encomendado sobre JK.

  • "Sub tegmine fagi"

    Folha de S. Paulo (RJ), em 19/05/2015

    Leitor indignado reprovou o título em latim de minha crônica no último domingo. Não foi a primeira vez que cometi o mesmo crime: apelar para uma língua morta para lamentar a miséria humana em geral e a miséria brasileira em particular.