Início > Acadêmicos > Nélida Piñon > Nélida Piñon

Biografia

Quinta ocupante da Cadeira 30, eleita em 27 de julho de 1989, na sucessão de Aurélio Buarque de Holanda e recebida em 3 de maio de 1990 pelo Acadêmico Lêdo Ivo. Em 1996-1997 tornou-se a primeira mulher, em 100 anos, a presidir a Academia Brasileira de Letras, no ano do seu I Centenário.

Nélida Piñon nasceu no Rio de Janeiro, descendente de Galegos, desde criança escolheu o oficio de escritor. Ainda muito menina escrevia pequenas histórias e as vendia ao pai e familiares. Formou-se no curso de Jornalismo, da Faculdade de Filosofia da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.
Com vasta bibliografia suas obras foram traduzidas em mais de 30 países, e contemplam romances, contos, ensaios, discursos, crônicas e memórias.
Em sua trajetória, repleta de singulares conquistas, pode-se destacar aquelas em que figura como o primeiro escritor de língua portuguesa, ou ainda a primeira mulher, ou a primeira brasileira tais como:

  • Membro da Academia Brasileira de Letras desde 1989, em 1996-1997 tornou-se a primeira mulher, em 100 anos, a presidir a Academia Brasileira de Letras, no ano do seu I Centenário, e primeira mulher a presidir uma Academia de Letras no mundo;
  • Recebeu o Premio de Literatura Latinoamericana y del Caribe Juan Rulfo para conjunto de obras. Primeiro autor de língua portuguesa e primeira mulher a receber o prêmio, em 1995. A laudatio foi feita por Carlos Fuentes;
  • Prêmio Ibero-Americano de Narrativa Jorge Isaacs para conjunto de obras. Outorgado pelo Festival Internacional de Arte de Cali, Colômbia. Primeiro autor de língua portuguesa e primeira mulher a receber o prêmio, em 2001;
  • Recebeu o XVII Prêmio Internacional Menéndez Pelayo das mãos da Ministra de Educação e Cultura de Espanha, Pilar Del Castillo, em 10 de julho de 2003. Primeiro autor de língua portuguesa e primeira mulher a receber este prêmio. A laudatio foi feita pelo escritor Mário Vargas Llosa;
  • Prêmio Puterbaugh Fellow, 2004, oferecido pela Universidade de Oklahoma e a revista The World Literature Today (abril de 2004). Primeiro escritor brasileiro a receber esta láurea, concedida anteriormente a Octavio Paz, Carlos Fuentes, Mario Vargas Llosa;
  • Em 2005 recebe o Prêmio Príncipe de Astúrias – Letras, entregue pelo Príncipe de Astúrias. A autora chegou às últimas votações do júri ao lado dos escritores norte-americanos Paul Auster e Philip Roth e do israelense Amos Oz. Primeiro escritor de língua portuguesa a receber esta láurea;
  • Recebeu o Doutor Honoris Causa da Universidade de Santiago de Compostela, Espanha, 1998. Primeira mulher a receber este título em 503 anos.
  • No dia 09/11/2011 foi inaugurada a biblioteca Nélida Piñon no Instituto Cervantes em Salvador/Bahia. Primeira vez que uma biblioteca do Instituto Cervantes foi batizada com o nome de um escritor de língua não hispânica. O Instituto Cervantes é uma instituição pública da Espanha criada para o ensino e difusão da língua e da cultura da Espanha e Hispanoamericana. Está presente nos 5 continentes.
  • Em 1969 inaugurou e foi primeira professora, por três semestres, da Cadeira de Criação Literária da Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
  • Em setembro de 2012 a escritora Nélida Piñon inaugurou na cidade de Madrid, o novo programa da  Residencia de Estudiantes intitulado Narrador en Residencia, que segue a tradição de algumas universidades inglesas e norteamericanas, e tem como objetivo por meio de uma extensa programação que inclui cursos, leituras e palestras, difundir sua obra, compartilhar seu conhecimento e favorecer o aprendizado dos jovens estudantes. Já passaram pela Residencia de Estudiantes grandes nomes das mais diversas áreas como Albert Einstein, Paul Valéry, Marie Curie, Igor Stravinsky, John M. Keynes, Alexander Calder, Walter Gropius, Henri Bergson e Le Corbusier, entre outros.
  • No dia 21 de setembro de 2012 no marco da XXII Cumbre Iberoamericana de Jefas y Jefes de Estado e por ocasião da celebração do Bicentenário da Constituição de Cádiz, foi nomeada Embajadora Iberoamericana de la Cultura atendendo ao convite formalizado pelo Dr. Enrique Iglesias da Secretaría Geral Iberoamericana y el Ayuntamiento de Cádiz. Tal distinção nas palavras do Dr. Iglesias é um reconhecimento ao talento e a trajetória da escritora Nélida Piñon.
  • Em dezembro de 2013, Nélida Piñon foi a primeira mulher e primeiro autor de língua portuguesa a receber o prêmio Cátedra Enrique Iglesias outorgado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento – BID, em Washington, USA.
  • Aos 16 de fevereiro de 2015, na qualidade de primeira ganhadora, recebeu o Prêmio El Ojo Crítico Iberoamericano, outorgado pela Rádio Nacional de Espanha.
  • Em outubro de 2014 foi lançado o Prêmio Nélida Piñon, uma iniciativa do Concello de Cotobade, com a colaboração da Consellería de Cultura, Educación e Ordenación Universitaria da Xunta de Galicia. Primeiro brasileiro a receber essa distinção na Espanha.
  • Em março de 2015, na qualidade de primeira brasileira, tomou posse como titular da Cátedra José Bonifácio pertencente ao Instituto das Relações Internacionais da Universidade de São Paulo – USP. A respectiva Cátedra trata de assuntos Iberoamericanos e foi inaugurada em 2013, tendo como primeiro ocupante o Ex-Presidente do Chile, Ricardo Lagos, em 2014, sucedido por Enrique Iglesias, Ex-Presidente do BID e da Secretaria General Iberoamericana.
  • Em outubro de 2014 foi lançado o Prêmio de Relato Breve Nélida Piñon, uma iniciativa do Concello de Cotobade, com a colaboração da Consellería de Cultura, Educación e Ordenación Universitaria da Xunta de Galicia.
  • Em outubro de 2015, foi inaugurada em Cotobade, Galícia, terra dos ancestrais de Nélida Piñon, a Casa de Cultura Nélida Piñon

De sua biografia constam mais de 20 prêmios nacionais e internacionais, e mais de 40 condecorações nacionais e internacionais entre elas:

  • Ordem do Cruzeiro do Sul, entregue pelo Presidente da República - Brasil;
  • Comenda do Barão do Rio Branco, no grau oficial, entregue pelo Presidente da República - Brasil;
  • Lazo de Dama, de Isabel La Católica, concedida pelo rei Juan Carlos, da Espanha;
  • Medalha Castelao, outorgada pelo Parlamento galego e condecorada pelo Presidente da Galícia;
  • Medalha Dom Afonso Henriques, concedida pelo Presidente de Portugal;
  • Medalha Aquila do México, concedida pelo Presidente da República do México;
  • Ordem do Mérito Cultural, concedida pelo Presidente da República - Brasil;
  • Chevalier des Arts et des Lettres, concedido pelo Governo Francês;
  • Condecoração Reina Isabel, La Católica, concedida pelo Rei de Espanha;
  • Ordem do Cruzeiro do Sul, entregue pelo Presidente da República - Brasil;
  • Medalha Tiradentes, concedida pela Assembéia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro – Brasil;
  •  Medalha Gabriela Mistral, comemorativa dos 50 anos de outorga do Prêmio Nobel à poetisa chilena, entregue pelo presidente do Chile, Eduardo Frei;
  • Ordem do Mérito Cultural, concedida pelo Presidente da República do Brasil;
  • Medalha Tiradentes, concedida pelo Governo de Minas Gerais - Brasil;
  • Ordem do Infante Dom Henrique, no grau de Grande Oficial;
  • Ordem do Mérito da Mulher, concedido pelo Governo do Estado do Rio de Janeiro - Brasil;
  • Medalha de Honor de la Emigración, oferecida pelo Governo Espanhol.
  • Título de Filla Adoptiva de Cotobade
  • Título de Embajadora Iberoamericana de la Cultura
  • Comenda da Ordem Padre José de Anchieta.

Recebeu sete títulos Honoris Causa:

  • Doctor Honoris Causa da Université de Poitiers, França;
  • Doctor Honoris Causa da Universidade de Santiago de Compostela, Espanha;
  • Doctor Honoris Causa da Florida Atlantic University, EUA;
  • Doctor Honoris Causa da Universidade de Rutgers, EUA;
  • Doctor Honoris Causa da Universidade de Montreal, Canadá;
  • Doctor Honoris Causa da Pontifícia Universidade Católica de Porto Alegre, Brasil;
  • Doctor Honoris Causa da UNAM, México.

Em 1970, inaugura a primeira cadeira de Criação Literária da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil.

Como escritora convidada figura, entre outras, como Visiting-Writer de:

  • Columbia University, Nova York;
  • John Hopkins University, Baltimore;
  • Harvard University, Cambridge;
  • Georgetown University, Washington, DC;
  • Ocupante da Cátedra Júlio Cortazar, fundada por Gabriel Garcia Márquez e Carlos Fuentes, em Guadalajara, México;
  • Ocupante da Cátedra Alfonso Reyes, fundada por Carlos Fuentes e outros intelectuais, em Guadalajara, México (setembro de 2002).

Foi Titular da Cátedra Henry King Stanford em Humanidades, da Universidade de Miami no período de 1990 a 2003 (ocupada anteriormente por Isaac Baschevis Singer, prêmio Nobel de Literatura de 1978).
Participou de inúmeros Congressos Nacionais e Internacionais.
Realizou inúmeras Palestras no Brasil e no Exterior.
Inúmeros estudos, dissertações de Mestrado e teses de Doutorado, nacionais e estrangeiros, foram feitos sobre sua obra.

Jurada dos Prêmios:

  • Prêmio Neustadt – World Literature Today (Oklahoma, EUA, fev. de 1980);
  • Prêmio Casa de las Américas (Havana, Cuba, 1983);
  •  Prêmio Latino-Americano de Literatura (Manágua, Nicarágua, 1987);
  •  Prêmio Guimarães Rosa (Paris, França, 1992-93);
  •  Prêmio Iberoamericano de Novela Santiago del Nuevo Extremo (Santiago, Chile, 15-23 nov. 1993);
  •  Prêmio UCLA de Literatura Latino-Americana (1996);
  •  Prêmio Internacional Juan Rulfo (Guadalajara, México, 1996);
  •  Prêmio Camões (Lisboa, Portugal, 1997);
  •  Prêmio Alfaguara  (Madri, 2003);
  •  Prêmio Menendez Pelayo  (Madri, 2004);
  •  Prêmio Norma (Cali, Colômbia, 2005).
  • Prêmio Dom Quixote de La Mancha, em Madri e Toledo, 2010;
  • Prêmio José Saramago (Lisboa, Portugal, 1999, 2001, 2003, 2005, 2007, 2009, 2011, 2013 e 2015)
  • Prêmio Bienal de Novela Vargas Llosa, primeira edição em 2014;
  • Comité de Honor del Premio FIL 2015, Guadalajara, México.

Prêmios literários

Nacionais:

  • Prêmio Walmap, pelo romance Fundador (1970, Rio de Janeiro);
  •  Prêmio Mario de Andrade, da APCA, São Paulo, pelo romance A Casa da Paixão, Melhor Livro do Ano (1973);
  •  Prêmio da APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte), São Paulo, pelo romance A República dos Sonhos, Melhor Livro do Ano (1985);
  •  Prêmio Ficção PEN Clube, pelo romance A República dos Sonhos, Melhor Livro do Ano (1985, Rio de Janeiro);
  •  Prêmio José Geraldo Vieira (União Brasileira de Escritores de São Paulo), pelo romance A Doce Canção de Caetana, Melhor Romance do Ano (1987);
  •  Prêmio Golfinho de Ouro, pelo Conjunto de Obras, oferecido pelo Governo do Estado do Rio de Janeiro e pelo Conselho Estadual de Cultura (1990);
  •  Prêmio Bienal Nestlé, Categoria Romance, pelo Conjunto de Obras (1991, São Paulo);
  •  Prêmio Adolpho Bloch, concedido pela Federação Israelita do Estado do Rio de Janeiro (19 de nov. 1996);
  • Prêmio de Honra ao Mérito do Rotary Club do Rio de Janeiro (1997).
  • Prêmio Alejandro José Cabassa, da União Brasileira de Escritores, pelo seu livro O Pão de Cada Dia.
  • Prêmio Jabuti - categoria romance - por Vozes do Deserto (2005).
  • Prêmio Jabuti – melhor livro do ano na categoria geral – por Vozes do Deserto (2005) 

Internacionais:

  • Uma das dez mulheres homenageadas com o Prêmio Simón Bolívar (Miami, Flórida, maio de 1992);
  • Prêmio Simon Dawidowitz, em Miami, como uma das dez mulheres internacionais do ano (1992);
  • Prêmio Internacional Juan Rulfo de Literatura Latino-Americana e do Caribe (conjunto de obras), Júri integrado por Maria Kodama (Argentina), Raymond L. Williams (Estados Unidos), Abelardo Oquendo (Peru), Jorge Ruffinelli (Uruguai), Julio Ortega (Peru), Amos Segala (Itália), Ciaran Cosgrove (Irlanda), Gérard de Cortanze (França) e Adolfo Castañón (México), determinou, por unanimidade, outorgar pela primeira vez a uma mulher e a um autor de língua portuguesa (México, Guadalajara, Jalisco, 31 de julho 1995);
  • Prêmio Ibero-Americano de Narrativa Jorge Isaacs, de Cali, Colômbia – para conjunto de obra (setembro de 2001). Primeiro autor de língua portuguesa e primeira mulher a receber tal prêmio.
  • Prêmio Rosalía de Castro, para conjunto de obra em língua portuguesa – Galícia, Espanha, concedido pelo PEN Clube da Galícia (maio de 2002);
  • Prêmio Internacional Menéndez Pelayo – entregue em Santander pela Ministra de Educação e Cultura de Espanha (10 de julho de 2003). Primeiro intelectual de língua portuguesa e primeira mulher a receber este prêmio;
  • Prêmio Puterbaugh Fellow, 2004, oferecido pela Universidade de Oklahoma e a revista The World Literature Today (abril de 2004). Primeiro escritor brasileiro a receber esta láurea, concedida anteriormente a Octavio Paz, Carlos Fuentes, Mario Vargas Llosa;
  •  Prêmio Príncipe de Astúrias, Letras, indicada por um júri formado por 20 intelectuais espanhóis, presidido pelo Presidente da Real Academia, Don Victor Garcia de La Concha, em Oviedo, Espanha. Entregue pelos Príncipes de Astúrias no dia 21 de outubro de 2005, em Oviedo. A autora chegou às últimas votações do júri ao lado dos escritores norte-americanos Paul Auster e Philip Roth e do israelense Amos Oz. Primeiro escritor de língua portuguesa a receber esta láurea;
  • Prêmio Woman Together, entregue em 3 de abril de 2006 na sede da ONU em Nova York, por sua “implicação na consecução dos Objetivos do Milênio Através do Desenvolvimento da Mulher, a luta contra a pobreza, a educação, a arte e a cultura”;
  • Prêmio Cervantes da Fundação Cervantina de Guanajuato, México (2006);
  • Prêmio Casa de las Americas, Cuba - 2010, pela obra Aprendiz de Homero;
  • VI Prêmio Internacional Terenci Moix de Literatura, Espanha - 2010, na categoria de melhor livro do ano - Corazón Andariego;
  • Prêmio Cátedra Enrique Iglesias, outorgado pelo Banco interamericano de Desenvolvimento – BID, em 2013;
  • Prêmio El Ojo Crítico Iberoamericano, outorgado pela Rádio Nacional de Espanha, em 2015.

Instituições a que pertence

No Brasil:

  • Membro da Academia Brasileira de Letras;
  • Membro do PEN Clube do Brasil;
  • Membro do Instituto Brasileiro de Cultura Hispânica;
  • Sócio correspondente do Instituto Histórico e Geográfico do Distrito Federal (Brasília, 1995);
  • Acadêmico Honorário da Academia de Cultura de Curitiba (1997).
  • Academia de Filosofia do Brasil (2004)
  • Membro do Conselho da Fundação Santillana, no Brasil (2008)

No exterior:

  • Membro do PEN Clube Internacional;
  • Membro do International Pen Women Writer’s Committee (Kathmandu, Nepal);
  • Membro do Phi Beta Delta, da Beta Theta Chapter, Honor Society for International Scholar, da University of Miami (EUA, Miami, 1993);
  • Membro do Brasil Advisory Committee, The Florida Brazil Institute Report (EUA, Miami, 1994);
  • Membro de Honra da Phi Beta Kappa – University of Miami (Miami, 25 abr 1996).
  • Acadêmica correspondente da Academia das Ciências de Lisboa (1998).
  • Acadêmica correspondente da Real Academia Espanhola (2009).
  • Acadêmica correspondente da Academia Mexicana de La Lengua
  • Acadêmica de honra da Real Academia Galega (2013)

Membro, entre outros Conselhos, do:

  • Membro do Conselho da Fundação Casa França-Brasil (1995);
  • Membro do Conselho Nacional dos Direitos da Mulher, nomeada pelo Presidente da República (Brasília, 1995);
  •  Membro do Conselho Deliberativo da Sociedade de Amigos da Biblioteca Nacional (Rio de Janeiro, Fundação Biblioteca Nacional, 1996);
  • Membro da Comissão de Honra dos festejos do V Centenário dos Descobrimentos, nomeada pelo Presidente Fernando Henrique Cardoso (1999);
  • Membro do Conselho da Cátedra Alfonso Reyes, em Monterey, 2003;
  • Membro do Conselho da Cátedra Júlio Cortázar, Guadalajara, 2004;
  • Membro e integrante do Conselho da Fundação Santillana;
  • Membro e integrante do Conselho do Foro Ibero-Americano constituído por Carlos Fuentes, no ano 2000, que conta com 30 intelectuais, empresários, políticos de todas as Américas e da Península Ibérica.
  • Membro do Conselho da Fundação Roberto Marinho;
  • Membro do Conselho da Associação Cultural da Arquidiocese do Rio de Janeiro;
  • Conselho Federal de Cultura;
  • Conselho Estadual de Cultura;
  • Conselho Nacional dos Direitos da Mulher;
  • Centro de Liderança da Mulher;
  • Conselho Consultivo revista Nexo, México;
  • Conselho Revista Tempo Brasileiro.

Algumas Resenhas:

  • “Obra extraordinária, literatura de primeiríssima qualidade. A dimensão amazônica da imaginação de Nélida Piñon faz com que ela seja alçada à categoria de gênio”. Publishers Weekly – New York;
  • “Uma romancista de inquestionável estatura internacional”. Washington Post Book World;
  • “Nélida Piñon fez dos sonhos de sua república não apenas aqueles de uma família, mas de todo o Brasil, e talvez de toda a América Latina”. New York Times Book Review – New York;
  • “Nélida Piñon aparece, sem contestação, como um dos maiores temperamentos da cultura brasileira, não hesitando jamais em se engajar em todas as formas de luta para consolidar sua originalidade”. Le Monde – Paris;
  • “Nélida Piñon é uma das pessoas mais encantadoras que já conheci, não apenas uma escritora muito fina mas uma mulher extraordinária...Gosto muito em Nélida o fato de haver nela, por uma parte, uma enorme compreensão e aceitação da vida em tudo o que tem, em sua complexidade e diversidade, e, ao mesmo tempo, uma elegância para dar a tudo isso umas formas que, para mim, representam a civilização. Isso eu vi em poucas pessoas como em Nélida”. Mario Vargas Llosa;
  • ““Com Deus eu me entendo”, diz a escritora. “Com os homens é mais difícil.” Mas a magia de Nélida Piñon consiste em aliar imaginação e compaixão, para dar a seus personagens e seus leitores “uma pele com a temperatura igual à deles””. Carlos Fuentes;
  • “Nélida reorganizou e renovou o romance através de uma linguagem densamente simbólica e metafórica... ela criou um romance feminino na sua imagerie, substância e seus princípios”. Naomi Hoki Moniz – Harvard University;
  • “Belo e complexo... A ironia finíssima de Nélida Piñon elevou o seu humor a um grau que é privilégio exclusivo dos mestres”. Folha de São Paulo – Brasil;
  • “Escritora madura, em plena posse de seus instrumentos e que não se sente prisioneira dos ditos “temas brasileiros”, circulando com desenvoltura pelos grandes desfiladeiros da cultura universal”. José Castello – O Estado de São Paulo – Brasil.
  • “Há símbolos a decifrar, máscaras a revelar; o que encontramos é um exercício intelectual intenso, quase absorvente, mas sustentado por uma linguagem de rara precisão.” Clarín – Argentina
  • “Monumental narrativa...Personagens muito bem construídas...A república dos sonhos eleva nossa prosa de ficção e emerge como um monumento.” IstoÉ
  • “Com tão evidente preocupação com os materiais de sua arte, Nélida Piñon revela-se um dos valores definitivos da melhor literatura brasileira do século.” Cesar Leal
  • “É preciso aprender com essa imortal humildemente. Certeira, impiedosa, ela ensina a respeitar os latidos da alma que protesta. É preciso aprender com ela a falar de amor e de amizade. E do destino, história e trajetória da humanidade.” Gazeta
  • “Estamos perante uma das grandes escritoras da América latina e a maior escritora brasileira viva.” Eduardo Lourenço, escritor português
  • “Nélida Piñon no solo es uma de las más grandes escritoras em lengua portuguesa de su tiempo sino uma de las más relevantes em El panorama internacional.” Mercedes Monmany, Jornal ABC, Espanha
  • “Dizer Nélida Piñón implica dizer muito mais. Quer dizer a voz mestra da língua portuguesa”, Javier García Parada.
  • "O Brasil é a terra de uma das mais admiráveis romancistas da América Latina: Nélida Piñon",  Octavio Paz.
  • “Es una autora con un fulgor singular tremendo en el tratamiento del lenguage, reuniendo en su vasta obra muchos universos que nos desafían con interrogantes fundamentales en tiempos tan sombrios como los actuales”, Alvaro Muits, Uma Obra llena de sentido, ABC
  • “Sus ensayos funden en un mismo crisol las ideas y los sentimientos, y lo expresan todo en un tono de confidencialidad casi oral que seduce invaríablemente al lector. Tengo para mí Aprendiz de Homero como una de las aportaciones más convicentes a la reivíndicación filosófica del cosmopolitismo como la ética de la identidade en un mundo de extraños”, Darío Villanueva

Dedicada e disciplinada entregou sua vida a literatura. É por ela que acorda todas as manhãs e hesita em dormir todas as noites, alongando seus dias pela palavra.