Início > Acadêmicos > Alberto da Costa e Silva

Perfil do Acadêmico

Quarto ocupante da Cadeira nº 9, eleito em 27 de julho de 2000, na sucessão de Carlos Chagas Filho, e recebido pelo acadêmico Marcos Vinicios Vilaça em 17 de novembro de 2000. Recebeu o acadêmico José Mindlin. Presidiu a Academia Brasileira de Letras em 2002 e 2003.
Cadeira: 
9
Posição: 
Atual
Antecedido por:
Data de nascimento: 
12 de Maio de 1931
Naturalidade: 
São Paulo - SP
Brasil
Data de eleição: 
27 de Julho de 2000
Data de posse: 
17 de Novembro de 2000
Acadêmico que o recebeu: 
Fotos relacionadas
Ver todas as fotos

Notícias relacionadas

Artigos relacionados

  • Marcantonio

    Jornal do Commercio (PE), em 21/04/2015

    Houve uma época em que eu ia com certa frequência a São Paulo e sempre guardava um pedaço de tarde para ir ver, em sua galeria, Marcantonio Vilaça. Para aprender com ele o que havia de novo nas artes plásticas e banhar-me de inteligência e sensibilidade. Marcantonio era um grande conversador, desses em que uma afirmação contém uma raiz de pergunta, para manter sem pausa ou silêncio o correr do diálogo. Lembro-me que era assim que discutíamos: perguntando. E discordávamos quase o mesmo tanto que coincidíamos, às vezes para ver até onde era capaz de ir o outro. 

  • Meus encontros com Bandeira

    Jornal do Brasil (Rio de Janeiro), em 16/08/2006

    Estava nos meus 15 anos. Parecia, porém, ainda mais novo, porque era franzino e frágil. Sabia de cor a metade dos versos de Bandeira, que tinha então 60 anos, mas parecia também mais jovem - um quarentão que os cuidados impostos pela tuberculose conservaram desde a adolescência.

  • Gilberto Freyre na Ásia e na África

    Jornal do Brasil (Rio de Janeiro ), em 09/11/2005

    Quem tenha lido Aventura e rotina recordará o deslumbramento com que Gilberto Freyre viveu os poucos dias que passou na Ilha de Moçambique. Ali sentiu-se atordoado pela profusão de cores, ruídos, trajes e culturas em combinação e conflito. Entonteceram-no sobretudo as mulheres, nas quais, diz ele, a mestiçagem alcançava ''vitórias esquisitas de beleza e graça nas formas, nas cores, no sorriso, na voz e no ritmo do andar''.