Início > Acadêmicos > Arnaldo Niskier

Perfil do Acadêmico

Sétimo ocupante da Cadeira nº 18, eleito em 22 de março de 1984, na sucessão de Peregrino Júnior e recebido em 17 de setembro de 1984 pela acadêmica Rachel de Queiroz. Recebeu os acadêmicos Murilo Melo Filho, Carlos Heitor Cony e Paulo Coelho. Presidiu a Academia Brasileira de Letras em 1998 e 1999.
Cadeira: 
18
Posição: 
Atual
Antecedido por:
Data de nascimento: 
30 de Abril de 1935
Naturalidade: 
Rio de Janeiro - RJ
Brasil
Data de eleição: 
22 de Março de 1984
Data de posse: 
17 de Setembro de 1984
Acadêmica que o recebeu: 
Fotos relacionadas
Ver todas as fotos

Notícias relacionadas

Artigos relacionados

  • A triste herança do povo ngro

    Diário do Amanhã (GO), em 06/12/2017

    O mês de no­vem­bro ocu­pa o lu­gar de pro­ta­go­nis­ta nas ce­le­bra­ções em tor­no da me­mó­ria do afro­des­cen­den­te no Bra­sil, em ra­zão do Dia da Con­sci­ên­cia Ne­gra, co­me­mo­ra­do no dia 20 (quan­do te­ria mor­ri­do o qui­lom­bo­la Zum­bi dos Pal­ma­res). É uma opor­tu­ni­da­de em que pen­sa­do­res e in­te­lec­tu­ais de to­do o Bra­sil pre­pa­ram uma agen­da es­pe­ci­al pa­ra que se re­fli­ta so­bre o te­ma. Ex­plo­rar a mul­ti­pli­ci­da­de de pen­sa­men­tos de um po­vo mui­tas ve­zes ig­no­ra­do é es­sen­cial pa­ra fi­xar e eter­ni­zar sua me­mó­ria.

  • O combate ao racismo

    Folha de São Paulo, em 03/12/2017

    O que há de mais singular na formação e no desenvolvimento da literatura afro-brasileira, em comparação com processos similares no resto do mundo, talvez seja o fato de os autores, sobretudo de 1930 em diante, terem a todo instante de declarar a palavra "negro" como instância de afirmação de uma identidade denegada pelo imaginário social hegemônico.

Vídeos relacionados