Início > Acadêmicos > Alfredo Bosi > Alfredo Bosi

Bibliografia

José Bonifácio, o Moço – Poesias (texto organizado e apresentado por A. Bosi e N. Scalzo). São Paulo: Conselho Estadual de Cultura, 1962.

O pré-Modernismo. São Paulo: Ed. Cultrix, 1966. 5.a ed., 1979.

História Concisa da Literatura Brasileira. São Paulo: Ed. Cultrix, 1970. 50ª. Edição, 2015.. Edição em língua espanhola: Historia Concisa de la Literatura Brasileña. México: Ed. Fondo de Cultura Económica, 1983; 2.ª edição, 2001.

A Palavra e a Vida (em colaboração com o Prof. Rodolfo Ilari). São Paulo: Ed. Loyola, 1976.

O Ser e o Tempo da Poesia. São Paulo: Ed. Cultrix, 1977. 8ª. Edição revista e aumentada. São Paulo: Cia. Das Letras, 2010.

Reflexões sobre a Arte. São Paulo: Ed. Ática, 1985. 7.ª edição, 2002.

Céu, Inferno. Ensaios de Crítica Literária e Ideológica. São Paulo: Ed. Ática, 1988. Nova edição revista e acrescida. São Paulo: Duas Cidades/Editora 34, 2003. 3ª. Edição, revista. S.Paulo: Editora 34, 2010.

Dialética da Colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1992. 4.a ed., 1996.

Leitura de Poesia. São Paulo: Ed. Ática, 1996.

Os Sertões de Euclides da Cunha. Edição didática. Texto estabelecido por Hercílio Ângelo. São Paulo: Ed. Cultrix, 1973.

O Conto Brasileiro Contemporâneo. São Paulo: Ed. Cultrix, 1975. 16a. edição revista, 2015.  A introdução à antologia foi vertida para o alemão sob o título de Situation und Formender zeitgenoessischen brasilianischen Kurzgeschichte, em Brasilianische Literatur, org. por Mechtild Strausfeld. Frankfurt: Suhrkamp, 1984.

Araripe Jr. – Teoria, Crítica e História Literária (org.). Rio de Janeiro: LTC/Edusp, 1978.

Cuentos de Machado de Assis. Seleção e apresentação. Caracas: Ed. Ayacucho, 1978.

Machado de Assis. Em colaboração com J.C. Garbuglio (org.), Mário Curvelo e Valentim Facioli. São Paulo: Ed. Ática, 1982.

Graciliano Ramos. Em colaboração com J.C. Garbuglio, Mário Curvelo e Valentim Facioli. São Paulo: Ed. Ática, 1987.

As Melhores Poesias de Ferreira Gullar. Seleção e apresentação. São Paulo: Ed. Global, 1983. 7.ª edição, 2004.

Cultura Brasileira. Temas e Situações (org.). São Paulo: Ed. Ática, 1987. 4.ª edição, 2003.

Hélio Lopes. Letras de Minas e outros ensaios (org.). São Paulo: Edusp, 1997.

Machado de Assis. O Enigma do Olhar. São Paulo: Ed. Ática, 1999. 3.ª ed., 2003.

Literatura e Resistência. São Paulo: Cia. das Letras, 2002.

Machado de Assis. São Paulo: Publifolha, 2002.

Brás Cubas em três versões. São Paulo, Cia.das Letras, 2006.

Machado de Assis. Coleção “Os Essenciais”.  Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras, 2010.

Ideologia e contraideologia. São Paulo: Cia. das Letras, 2010.

Padre Antônio Vieira - Essencial. Apresentação e organização. S.Paulo: Penguin Clásscos, Cia. das Letras, 2011. 

Entre a Literatura e a História. S.Paulo: Ed. 34, 2013. 

Dialética da Colonização. Prefacio de Graça Capinha. Lisboa: Glaciar Editora; Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras, 2014.

Catálogo das obras publicadas pela Academia Brasleira de Letras (apresentação e organização). Rio de Janeiro: ABL e Contracapa, 2015. 

Obras traduzidas

História concisa de la literatura brasileña. Trad. de Marcos Lara.  México: Ed. Fondo de Cultura Económica, 1983; 2.ª ed., 2001.

La culture brésilienne: une dialectique de la colonisation. Trad. de Jean Briant  Paris: Ed. L’Harmattan, 2000.

La cultura brasileña: una dialectica de la colonización. Trad. de Eduardo Rinesi e Jung Há Kang.  Salamanca: Ed. Universidad de Salamanca, 2005.

Colonu, Cult and Culture. Trad. por Robert P. Newcomb.  Dartmouth: University of Massachusetts, 2008.

Brazil and the Dialectic of Colonization . Trad. Robert Newcomb. University of Illinois, 2015. 

Alguns prefácios

Introdução a Fogo Morto de José Lins do Rego. 6ª ed., Rio de Janeiro: José Olympio Ed., 1965.

Prefácio a O Mundo Movente de Guimarães Rosa de José Carlos Garbuglio. São Paulo: Ed. Ática, 1972.

Apresentação de Memorial de Aires. São Paulo: Ed. Ática, 1973.

Apresentação de “Invulnerável Pássaro”, poemas de Hélio Lopes. São Paulo, 1973.

Prefácio a A Tradição do Impasse de João Alexandre Barbosa. São Paulo: Ed. Ática, 1974.

“Silêncio, fala e texto”, prefácio a O Tempo e Outros Remorsos de Alcides Villaça. São Paulo: Ed. Ática, 1974.

“Entre a retórica e a poesia”. Prefácio a A Tradição sempre Nova de Roberto de Oliveira Brandão. São Paulo: Ed. Ática, 1975.

“Lembrança de Italo Bettarello”. Posfácio a A Poesia Italiana Atual de Italo Bettarello. Boletim n.º 16 (Nova Série), USP, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Depto. de Letras Modernas, Curso de Italiano, 1977. Texto reproduzido In: Estudos Avançados n.º 22, set.-dez. 1994.

“O crítico entre a teoria e a prática”. Prefácio a Crítica Sistemática de Wendel Santos. Goiânia: Universidade Federal de Goiás, 1977.

“Um testemunho do presente”. Prefácio a Ideologia da Cultura Brasileira de Carlos Guilherme Mota. 2.ª ed., São Paulo: Ed. Ática, 1977.

Apresentação de O Narrador Ensimesmado de Maria Lúcia Dal Farra. São Paulo: Ed. Ática, 1978.

Prefácio a A Poética do Silêncio de Modesto Carone. São Paulo: Ed. Perspectiva, 1979.

Prefácio a O Amor Romântico e Outros Temas de Dante Moreira Leite. São Paulo: Cia. Ed. Nacional – Edusp, 1979.

“Uma trilogia da libertação”. Prefácio a Os Prodígios de Dyonelio Machado. São Paulo: Ed. Moderna, 1980. O texto foi reproduzido como posfácio a Sol Subterrâneo do mesmo autor (Ed. Moderna, 1981).

Apresentação de Enquanto Vivemos de Jayro José Xavier. Rio de Janeiro: Ed. Achimé, 1981.

“Retrato sem retoques”. Prefácio a Língua e Literatura: O Professor Pede a Palavra, organizado por Valéria de Marco, Lígia Chiappini M. Leite e Suzi Franki Sperber. São Paulo: Cortez Editora – APLL-SBPC, 1981.

“Uma crônica das origens”. Prefácio a A Universidade da Comunhão Paulista de Irene R. Cardoso. São Paulo: Cortez Editora, 1982.

“Em memória de Wendel Santos”. Apresentação de Crítica: Uma Ciência da Literatura de Wendel Santos. Ed. da Universidade Federal de Goiás, 1983.

“Aventuras e desventuras de uma ideologia”. Prefácio à 4.ª edição (definitiva) de O Caráter Nacional Brasileiro de Dante Moreira Leite. São Paulo: Pioneira, 1983.

Prefácio a Teologia da Pastoral Operária. Experiência de Osasco, SP, de Domingos Barbé. Petrópolis: Vozes, 1983.

“O mundo mineiro de Orlando Bastos”. Prefácio a Contos de Orlando Bastos. São Paulo: Ática, 1984.

“O livro do alquimista”. Prefácio a Um Por Todos de José Paulo Paes. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

“Os trabalhos de Martha”. Prefácio a Mil e Um Provérbios em Contraste de Martha Steinberg. São Paulo: Ática, 1985.

“Um boêmio entre duas cidades”. Prefácio a Abraçado ao Meu Rancor de João Antônio. São Paulo: Ed. Guanabara, 1986.

Prefácio a Psicologia e Literatura de Dante Moreira Leite. São Paulo: Hucitec, 1987.

Prefácio a Na Ilha de Marapatá de Raul Antelo. São Paulo: Hucitec, 1987.

Prefácio a Linguagem Autoritária de Maria Thereza Fraga. São Paulo: Brasiliense, 1989.

Introdução a Crônica da Casa Assassinada de Lúcio Cardoso. Paris: Archives, 1991.

“La parábola de las vanguardias”. Em Las vanguardias latinoamericanas de Jorge Schwartz. Madrid: Ed. Cátedra, 1991.

Prefácio a Escola Vivida, Escola Projetada de Moacir Gadotti. Campinas: Papirus, 1992.

Seleção, organização e prefácio de Sobre Letras e Artes de Otto Maria Carpeaux. São Paulo: Ed. Nova Alexandria, 1992.

Prefácio a Universo da Criação Literária de Philippe Willemart. São Paulo: Edusp, 1993.

Prefácio a Bastidores da Criação Literária de Philippe Willemart. São Paulo: Iluminuras, 1999.          

Prefácio à 2.ª edição de Narrativas Populares de Osvaldo Elias Xidieh. Belo Horizonte\São Paulo:  Itatiaia/Edusp, 1993.

Contracapa de Ensaios Críticos de Francesco de Sanctis. Nova Alexandria, 1993.

Prefácio a Antologia de Antologias da Poesia Brasileira de Magaly Gonçalves, Zélia Thomaz de Aquino e Zina Bellodi Silva. São Paulo: Musa Editora, 1995.

Prefácio a A Estética de Benedetto Croce. “Introdução ao Breviário de Estética de B. Croce”. São Paulo: Ática, 1996.

“História de um encontro”. Em Cecília Meireles, Cecília e Mário. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1996.

Posfácio à 15.ª edição de Maíra de Darcy Ribeiro. Rio de Janeiro: Ed. Record, 1996. O texto “Morte, onde está tua vitória?” integra a fortuna crítica de Maíra aposta ao romance. Publicado também na edição francesa de Maíra (Paris: Gallimard, 1997).

Prefácio a Antônio Vieira, De Profecia e Inquisição. Brasília: Senado Federal, 1998.

Prefácio a A Universidade Impossível de Jacques Marcovitch. São Paulo: Ed. Futura, 1998.

Prefácio a Bastidores da Criação Literária de Philippe Willemart. São Paulo: Iluminuras, 1999.

Posfácio à 4.ª edição de Dialética da Colonização. São Paulo: Cia. das Letras, 2001.

Prefácio a Luigi Pirandello, Um, Nenhum, Cem Mil. São Paulo: Cosac & Naify, 2001.

Apresentação a S.T. Coleridge, A Balada do Velho Marinheiro, trad. de Alípio Correia de Franca Neto. São Paulo: Ateliê, 2005.

 “Celso Furtado rumo a uma visão holística”. Prefácio a Criatividade e dependência na civilização industrial de Celso Furtado. São Paulo: Cia.das Letras, 2008.

Prefácio a Voices of the desert. A novel  de Nélida Piñon. New York: Alfred A Knopf, 2009.

Posfácio a A estrutura da bolha de sabão. Contos de Lygia Fagundes Telles. São Paulo: Cia. dass Letras, 2010.

Prefácio a Poesia reunida, de Carlos Nejar. São Paulo: Novo Século, 2009.

Prefácio a Cemitério dos vivos de Lima Barreto. São Paulo: Cosac Naify, 2010.

“Quando fala o poeta: Saint-John Perse leitor de Dante”. Prefácio a Discurso de Florença de Saint-John Perse, trad. de Bruno Palma. São Paulo, Ateliê, 2010.

 "O lugar da Retórica na obra de Vico". Apresentação a Giambattista Vico, Ciência Nova. Trad. de Vilma De Katinszky. São Paulo: Ed. Hucitec, 2010.

Prefácio a Domício Proença Filho. O risco do jogo. Poemas. São Paulo: Prumo, 2013. 

Prefácio a Ivan Vilela, Cantando a própria história. São Paulo: Edusp, 2013

Prefácio a Mino Carta, O Brasil  Rio: Record, 2013. 
Prefácio a Samarone Marinho. Manoel ama lembrar. Rio de Janeiro: 7 letras, 2014. 

Prefácio a Alcides Maya, Machado de Assis. Algumas notas sobre o humour.  Rio: ABL, 2015.

Orelha a Fernando Paixão. Porcela Invisível. São Paulo: Cosac&Naify, 2015.   

 Posfácio a José de Alencar. Iracema. São Paulo: Penguin clássicos / Companhia das Letras, 2016

  Ensaios, artigos, resenhas

“A história da literatura brasileira de Veríssimo”. In: O Imparcial. São Paulo: Colégio Macedo Soares, abril de 1958.

“Crítica e poesia”. In: Progresso Ítalo-Brasiliano, n.º 6. São Paulo, 31 de julho de 1959.

“Lendo Clarissa de Érico Veríssimo”. In: A Cidade de S. Carlos, 5 de setembro de 1959.

“O barroco e o sentimento do infinito”. In: A Cidade de S. Carlos, 3 de outubro de 1959.

“O pensamento de Vico”. In: Enciclopédia Ambiente, n.º 1, maio de 1960.

Para o Suplemento Literário de O Estado de S. Paulo:

Resenha: Waldir Ribeiro do Val. “Vida e obra de Raimundo Correia”. 15 de julho de 1961.

“O romance da Providência”. 19 de agosto de 1961.

“Círculo mágico”. 9 de setembro de 1961.

“Motivo e tema”. 21 de julho de 1962.

“Jorge de Lima: a estrada e o rio”. 11 de agosto de 1962.

Resenha: Ernesto Grassi. “Arte e Mito”. 8 de dezembro de 1962.

“Um conceito de humorismo”. 9 de fevereiro de 1963.

Para o mesmo Suplemento, como responsável pela secção de Letras Italianas:

“Os herdeiros de Croce”. 28 de setembro de 1963.

“O nosso tempo e a esperança”. 14 de dezembro de 1963.

“Um teólogo leitor de Dante”. 14 de janeiro de 1964.

“De um prefácio a Quasimodo”. 21 de março de 1964.

“O outro Pirandello”. 9 de maio de 1964.

“Um Kafka italiano?”. 11 de julho de 1964.

“Nem viver nem morrer”. 12 de setembro de 1964.

“Michelangelo poeta”. 28 de novembro de 1964.

“Poesia popular italiana”. 8 de maio de 1965.

“Ética e poesia no Inferno” de Dante”. 22 de maio de 1965.

“Problemas da vanguarda”. 28 de agosto de 1965.

“Um novíssimo lê Dante”. 23 de outubro de 1965.

“Verga vivo”. 8 de janeiro de 1966.

“Quer pasticciaccio brutto...”. 30 de abril de 1966.

“Croce e os mitos modernos”. 4 de junho de 1966.

“A lição de Ungaretti”. 20 de agosto de 1966.

“As razões de Moravia”. 27 de agosto de 1966.

“Quasímodo revisitado”. 24 de dezembro de 1966.

“O mundo ofendido de Vittorini”. 11 de março de 1967.

Resenha: Henri Lefebvre. “Le langage et la société”. 1 de abril de 1967.

“Uma cultura doente?” (Italo Svevo). 6 de maio de 1967.

“Um conto de Pirandello”. 1 de julho de 1967.

“Paixão e ideologia” (Pasolini). 16 de setembro de 1967.

“Travessia: leitura de L’anguilla, de Eugenio Montale”. 5 de maio de 1968.

“A estrutura e o nada” (Umberto Eco e “La struttura assente”). 5 de outubro de 1968.

“Cecília Meireles: a música ausente”. 20 de janeiro de 1965.

“Sobre Teilhard de Chardin”. 6 de novembro de 1965.

“Literatura e sociedade”. 19 de março de 1966.

“Bandeira, romântico e moderno”. 16 de abril de 1966.

“Nota sobre a imagem em Castro Alves”. 5 de junho de 1971.

"Cultura. A cultura no Brasil Império. Literatura. Ideias". Em A Construção Nacional (1830-1889) Vol. 2. Coordenação de José Murilo de Carvalho. Rio de Janeiro: Objetiva, 2012. 

"Economia e Humanismo". Estudos Avançados, n.75, maio-agosto de 2012. 
 "Relendo Carpeaux". Em Estudos Avançados, n. 78. USP, maio-agosto de 2013. 

"O duplo espelho em um conto de Machado de Assis". Estudos Avançados, n.80, janeiro-abril de  2014. 

Palavras de recepção da Acadêmica Nélida Piñon. Em Revista Brasileira, ano IV, n. 84. 

"Celso Furtado: uma nova concepção de desenvolvimento" em Antologias da ABL. Ensaios. Org. de Rosiska Darcy de Oliveira e Marco Lucchesi.Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras, 2015[E2] .

Artigos publicados em outros periódicos ou em obras coletivas:

“Um comentário perfeito a Mater et magistra”. In: Brasil Urgente, n.º 50, 28 de fevereiro de 1964.

“Lebret e o seu Manifesto por uma Civilização Solidária”. In: Brasil Urgente, n.º 54, 27 de março de 1964.

“Do conformismo ao descontentamento”. In: Notícias Literárias,  Editora Pensamento-Cultrix,  n.º 21, agosto de 1966.

“Acaso, necessidade”. In: Discurso, n.º 2. Depto. de Filosofia da Universidade de São Paulo, 1971.

“Uma leitura de Vico”. In: Discurso, ano 3, n.º 3, 1972.

“Formação cultural brasileira”. Em VV.AA., Brasil, Processo e Integração. São Paulo: Ed. Loyola, 1972.

“As Letras na Primeira República”. Em O Brasil Republicano, 2.º vol., coord. de Boris Fausto. São Paulo: Difel, 1977 (o texto foi escrito em 1972).

“A pós-graduação em Literatura Brasileira”. In: Alfa, 18/19, Depto. de Letras da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Marília, 1973.

“Imagens do Romantismo no Brasil”. Em O Romantismo, vol. org. por J. Guinsburg. São Paulo: Perspectiva, 1978 (o texto foi escrito em 1973).

“O Movimento Modernista de Mário de Andrade”. In: Colóquio de Letras, n.º 12. Lisboa, março de 1973.

“Imagem, discurso”. In: Discurso, n.º 5, 1974.

“O trabalho dos intelectuais segundo Gramsci”. In: Debate e Crítica, n.º 6, 1975.

“A volta da redação”. In: Movimento, 29 de setembro de 1975.

“Homenagem a Érico Veríssimo”. In: Movimento, 8 de dezembro de 1975.

“Por um pensamento selvagem”. Entrevista (refeita por copydesk) a Veja, Páginas Amarelas, 19 de novembro de 1975.

“Gramsci na prática”. In: Movimento, 22 de setembro de 1976.

Verbete “Literatura Brasileira. Modernismo”. Em colaboração com Otto Maria Carpeaux. Enciclopédia Mirador Internacional, vol. IV, pp. 1698-1703. Rio, 1976.

Verbete “Literatura Italiana. Das origens à Renascença”. Em colaboração com Otto Maria Carpeaux. Enciclopédia Mirador Internacional, vol. XII, pp. 6348-6358. Rio, 1976.

“Argüição a Paulo Emilio”. In: Discurso, n.º 8, 1978.

“Uma figura machadiana”. In: Almanaque, n.º 8, 1978. Texto reproduzido em VV.AA., Esboço de Figura (Homenagem ao 60.º aniversário de Antonio Candido). São Paulo: Duas Cidades, 1979.

“Moderno e modernista no Brasil”. In: Temas, n.º 6, São Paulo, 1979.

“Camões e Jorge de Lima”. In: Revista Camoniana, Instituto de Estudos Portugueses, USP, 1978.

Resenha: Otto Maria Carpeaux. “Reflexo e realidade”. In: Leia Livros. Rio de Janeiro: Fontana, 15 de setembro de 1978.

Resenha: Pedro Casaldáliga. “Antologia retirante”. Encontros com a Civilização Brasileira n.º 5, dezembro de 1978.

“A questão da cultura brasileira”. Texto elaborado a partir da transcrição do debate promovido pelo Grupo “Casa Grande”, a 5 de junho de 1978 entre Darcy Ribeiro, Ferreira Gullar e o autor deste Memorial. Direção de Antonio Houaiss. Em Conjuntura Nacional. Petrópolis: Vozes, 1979.

“Literatura e ensino da Literatura”. Transcrição da entrevista dada à Profa. Maria Thereza Fraga Rocco, em 1977, e publicada no livro Literatura/Ensino: uma problemática. São Paulo: Ática, 1981.

“Literatura e Revolução”. Transcrição da entrevista dada ao Prof. Pedro Port, da Universidade Federal de Santa Catarina. Publicada em Travessia, n.º 2. Florianópolis, 1981.

“O nacional, artigo indefinido”. In: Folhetim (Folha de S. Paulo), 10 de maio de 1981.

“O fio vermelho”. In: Folhetim, 17 de maio de 1981.

“A intimidade revelada” (cartas de Gramsci). In: Folhetim, 28 de junho de 1981.

“Marilena, o logos apaixonado”. In: Folhetim, 27 de setembro de 1981.

“Memória e Memorial”. In: Folha de S. Paulo, 17 de junho de 1982.

“Dez argumentos pelo ensino público”. In: Folha de S. Paulo, 31 de agosto de 1982.

“A máscara e a fenda”. Em Machado de Assis (VV.AA.). São Paulo: Ática, 1982.

“Sobre Vidas Secas”. In: Novos Estudos Cebrap, abril de 1982, reproduzido, com retoques, no volume coletivo Os Pobres na Literatura Brasileira (org. Roberto Schwarz). São Paulo: Brasiliense, 1983.

“Alceu aqui e agora”. In: Leia Livros, outubro de 1983.

“Homenagem a Sérgio Buarque de Holanda”. In: Novos Estudos Cebrap, novembro de 1983.

“Jejum contra a fome”. In: Folha de S. Paulo, 18 de dezembro de 1983.

“Lobato e a criação literária”. In: Boletim Bibliográfico da Biblioteca Municipal Mário de Andrade, vol. 43, n.º 1/2. São Paulo: Prefeitura do Município de São Paulo, 1983.

“Cultura brasileira”. Em Filosofia da Educação Brasileira. Volume organizado por Durmeval Trigueiro Mendes. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 1983.

“Descentralização?”. Folha de S. Paulo, 4 de março de 1984.

“Um exemplo de participação”. Folha de S. Paulo, 22 de março de 1984.

O auto do frade: as vozes e a geometria”. Folhetim, 8 de abril de 1984.

“Sobre a não-violência”. Folha de S. Paulo, 19 de maio de 1984.

Resenha: Luiz Eduardo Wanderley. “Educar para transformar”. Folha de S. Paulo, 15 de junho de 1984.

“Democracia versus poluição”. Folha de S. Paulo, 19 de agosto de 1984.

“Getúlio, Tancredo e a carta”. Folha de S. Paulo, 24 de agosto de 1984.

“Teologias, sinais dos tempos”. Folha de S. Paulo, 10 de outubro de 1984.

“O nacional e suas faces”. Em Eurípedes Simões de Paula. In Memoriam. USP, 1984.

“Estados Unidos, Nicarágua e Brasil”. Folha de S. Paulo, 10 de maio de 1985.

“A educação e a cultura nas constituições brasileiras”. In: Novos Estudos Cebrap, n.º 14, fevereiro de 1986.

“Educação e Constituinte”. Folha de S. Paulo, 6 de fevereiro de 1987.

“Cultura como tradição”. Em Cultura Brasileira. Tradição/contradição. Rio de Janeiro: Zahar, 1987.

“Entre a Ecologia e a Economia”. Folha de S. Paulo, 26 de agosto de 1987.

“Educar para os Direitos Humanos”. Folha de S. Paulo, 4 de fevereiro de 1988.

“Fenomenologia do olhar”. Em O Olhar (org. por A. Novais). São Paulo: Cia. das Letras, 1988.

“O exílio na pele”. In: Novos Rumos, ano 3, n.ºs 8/9, 1988.

“Pluralismo nella cultura brasiliana”. In: Letterature d’America, v. 6, n.º 28, Roma, 1989.

“Apresentação de Leopoldo Zea”. Em Nossa América. São Paulo: Memorial da América Latina, n.º 2, 1989.

“A vanguarda enraizada: o marxismo vivo de Mariátegui”. In: Estudos Avançados, n.º 8, Instituto de Estudos Avançados, USP, jan.-abr. 1990. A versão em espanhol, “La vanguardia enraizada”, foi publicada no Anuario Mariateguiano, vol. IV, n.º 4. Lima: Ed. Amauta, 1992.

“O tempo e os tempos”. Em Tempo e História. São Paulo: Cia. das Letras, 1992.

“Jacques Chonchol: o Chile ontem e hoje” (entrevista). In: Estudos Avançados, n.º 21, agosto de 1994.

“Origem e função das idéias em contextos de formação colonial”. Em Vários Autores, Pensamento Brasileiro. Centro de Estudos Brasileiros. Embaixada do Brasil em Roma, 1995.

“A escrita do testemunho em Memórias do Cárcere”. In: Estudos Avançados, n.º 23, jan.-abr. de 1995.

“Formações ideológicas na cultura brasileira” In: Estudos Avançados, n.º 25, set.-dez. 1995.

“O passado e o mercado”. Jornal do Brasil. Caderno de Idéias, 16 de dezembro de 1995.

“A natureza, os antigos. Leopardi tradutor”. Em: Giacomo Leopardi: Poesia e Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1996.

“Homenagem a Florestan Fernandes”. In: Estudos Avançados, n.º 26, jan.-abr. 1996.

“Quando tempo não é dinheiro”. Jornal do Brasil, 13 de janeiro de 1996.

“Educação: as pessoas e as coisas”. Jornal do Brasil, 10 de fevereiro de 1996.

“Alain ameno e grave”. Jornal do Brasil, 9 de março de 1996.

“A arte e o bicho-da-seda”. Jornal do Brasil, 6 de abril de 1996.

“Vieira e o reino deste mundo”. Jornal do Brasil, 4 de maio de 1996.

“Cartas cartesianas”. Jornal do Brasil, 1 de junho de 1996.

“Intimidade e assimetria”. Jornal do Brasil, 29 de junho de 1996.

“Leopardi”. Jornal do Brasil, 27 de julho de 1996.

“Sobre alguns modos de ler poesia”. Em Leitura de Poesia. São Paulo: Ática, 1996.

“A intuição da passagem em um soneto de Raimundo Correia”. Em Leitura de Poesia. São Paulo: Ática, 1996.

“O ponto cego do ensino público”. Folha de S. Paulo, 9 de março de 1997.

“Um estudante chamado Alexandre”. Alocução de abertura do Congresso dos Estudantes da USP, promovido pelo DCE-Livre “Alexandre Vannucchi Leme”. Jornal da USP, 24 de agosto de 1997.

“Fantasia e planejamento. Sobre Celso Furtado”. Folha de S. Paulo, Caderno de Resenhas, n.º 32, 1997.

“Vieira e o reino deste mundo”. In: Décio de Almeida Prado. São Paulo: Edusp, 1997.

“As fronteiras da literatura”. Em: Aguiar, Flávio (org.). Gêneros de Fronteira. São Paulo: Xamã, 1997.

“Camus na festa do Bom Jesus”. Tempo Social. Revista Sociologia, USP, 10(1), maio de 1998.

“Uma grande falta de educação”. In: Praga, n.º 6, Ed. Hucitec, 1998.

“O cânon poético nas antologias brasileiras”. Critica del testo. Dipartimento di Studi Romanzi. Università La Sapienza, Roma, 1999.

“Os estudos literários na era dos extremos”. Em: Flávio Aguiar (org.), Antonio Candido: Pensamento e Militância. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 1999.

“For a renewed historicism: reflex and reflection in Literary History”. In: Ciência e Cultura, v. 51, n.º 5/6, dezembro de 1999.

“Por um historicismo renovado. Reflexo e reflexão em história literária”. In: Teresa, Revista de Literatura Brasileira, n.º 1. Universidade de São Paulo, 2000.

“Educação e sociedade no Brasil contemporâneo”. In: Revista Ciência Hoje. São Paulo, 2000.

“Os apontamentos de Gramsci”. Folha de S. Paulo, 8 de abril de 2000.

“A importância da universidade pública”. In: Ciência Hoje. Rio de Janeiro, outubro de 2000.

“A universidade pública brasileira: perfil e acesso”. In: Konrad-Adenauer Stiftung, 2000.

“Considerações sobre tempo e informação”. In: Redemoinhos. São Paulo, n.º 4, 30 de julho de 2001.

“O humanismo de Jacques Maritain”. Em Pozzoli (org.), Ensaios em homenagem a Franco Montoro. São Paulo: Loyola, 2001.

“A escrita e os excluídos”. Comunicação apresentada ao II Fórum Mundial, Porto Alegre, janeiro de 2002 (incluído em Literatura e Resistência, cit.)

“Poesia versus racismo”. Em Estudos Avançados, n.º 44, jan.-abr. 2002.

“Em torno da poesia de Cecília Meireles”. Em Metamorfoses, n.º 3. Cátedra Jorge de Sena para Estudos Literários Luso-Afro-Brasileiros. Rio de Janeiro, UFRJ, 2002.

“Paulo Evaristo, leitor de São Jerônimo”. In: Idade Mídia, n.º 2, FIAM, novembro de 2002.

“Entrevista a Augusto Massi”. Em Memórias do Presente. 100 Entrevistas do Mais. São Paulo, Publifolha, 2003.

“Entrevista a Lígia Chiappini e Ulrich Fleischmann. In: Iberoamericana, n.º 10, Berlim, 2003.

“Carta-oração a Fr. Giorgio Callegari”. In: Revés do Avesso, ano 13, São Paulo: Centro Ecumênico de Publicações e Estudos Frei Tito de Alencar Lima, janeiro de 2004.

Discurso de posse na Cadeira n.º 12 da Academia Brasileira de Letras. Rio de Janeiro, 30 de setembro de 2003. Publicado pela ABL, Rio, 2004.

“O positivismo no Brasil: uma ideologia de longa duração”. Em Leyla Perrone-Moisés (org.), Do Positivismo à Desconstrução. Idéias francesas na América. São Paulo: Edusp, 2004.

“Poesia como resposta à opressão”. Entrevista a Reinaldo Gama. Em Prazer em Conhecer. Fapesp, 2004.

“O teatro político nas crônicas de Machado de Assis”. São Paulo, Instituto de Estudos Avançados, Coleção Documentos, 2004.

“Fora sem dentro? Análise e interpretação de um poema de João Cabral de Melo Neto”. In: Estudos Avançados n.º 50, jan.-abr. de 2004.

“Raymundo Faoro leitor de Machado de Assis”. In: Estudos Avançados, n.º 51, maio-ago. 2004.

“O realismo na obra de Machado de Assis”. Em Escolas Literárias no Brasil. Coord. de Ivan Junqueira. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras, 2004. (Coleção Austregésilo de Athayde, v. 23, t. I).

“Reflexões sobre o Modernismo”. Em Escolas Literárias no Brasil. Coord. De Ivan Junqueira. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras, 2004. (Coleção Austregésilo de Athayde, v. 23, t. II).

 “Notas sobre o Simbolismo brasileiro em conexão com o Simbolismo ocidental”. Em Arlete Cavaliere e outros. Tipologia do simbolismo nas culturas russa e ocidental.  São Paulo: Humanitas, 2005.

“Caminhos entre a Literatura e a História Cultural”. In: Estudos Avançados, n.º 55, set.-dez. de 2005.

“Brás Cubas em três versões”. In: Teresa, n.º 8, março de 2006.

Discurso em homenagem a Ferreira Gullar por ocasião da outorga do Prêmio “Machado de Assis” pelo conjunto de sua obra. 20 de julho de 2005 (a sair nos Anais da Academia Brasileira de Letras).

“Teologia da libertação”. Trabalho apresentado ao Seminário Michael Löwy. 28 de setembro de 2005 (a sair em livro pela Editora Boitempo).

“Da Esquerda cristã à Teologia da Libertação”. Em As utopias de Michael Löwy (org. por Ivana Jinkings e J. Alexandre Pechanski). São Paulo: Boitempo, 2007.

RESENHA – “Liberalismo versus democracia social”. Resenha de Contra-história do liberalismo  de Domenico Losurdo. São Paulo: Estudos Avançados, no. 51, jan.-abril de 2007.

“O Cemitério dos vivos: testemunho e ficção”. Em Literatura e Sociedade, n. 10. São Paulo: USP, Depto. De Teoria Literária, 2008.

“Simone Weil: l’intelligence libératrice et sés formes”. Em Cahiers Simone Weil.  Paris: set. de 2008, tomo XXXI, n. 3.

“Figuras do narrador machadiano”. Em Cadernos de Literatura Brasileira. Machado de Assis.  S. Paulo: Instituto Moreira Salles, 2008.

“Um nó ideológico.. Notas sobre o enlace de perspectivas em Machado de Assis.”  Em Escritos. Revista do Centro de Pesquisa da Casa de Rui Barbosa. Rio de Janeiro: 2008.

Outorga do título de Professor Emérito a Alfredo Bosi”.  Discursos de Alfredo Bosi e José Miguel Wisnik.  São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, 2009.

“Antônio Vieira: profeta e missionário. Um estudo sobre a pseudomorfose e a contradição”. I. Em Estudos Avançados,  n. 64. IEA-USP, set.-dez. de 2008,    (II) id. N. 65, , jan.-abril de 2009.

“Rumo ao concreto”. Brás Cubas em três versões”. Em Luso-Brazilian Review. University of Wisconsin Press, vol. 46, n.1, 2009.

“Joaquim Nabuco memorialista”. Em Estudos Avançados, n.69. IEA-USP: maio-agosto de 2010.

"O crítico Astrojildo Pereira". Em  José Ribeiro Guedes de Oliveira. Astrojildo Pereira. In Memoriam. Brasília: Fundação Astrojildo Pereira, 2010.

"O Crucifixo no tribunais". Carta Capital, 8 de abril de 2012.

"Menos kits. Melhores professores". Carta Capital, 6 de janeiro de 2014.

A grande encruzilhada". Carta Capital, 5 de março de 2015.

A História o absolverá?"  Carta Capital, 8 de abril de 2015.

“Megulho nas trevas”. Carta Capital, 23 de abril de 2016

“Jorge de Lima, poeta em movimento (Do “menino impossível” ao Livro de sonetos). Em Estudos Avançados, n. 86, IEA-USP, 2016.

“Literatura italiana – na universidade e a partir da universidade. Em Revista Brasileira, n. 85. ABL, out.-nov de 2016.,  

Entrevistas

Entrevista ao Programa Trajetória, TV USP, em 11 de novembro 2003.

Entrevista ao Programa Roda Viva, TV Cultura, em 23 de setembro de 2004

“Poesia como resposta à opressão”. Entrevista concedida a Rinaldo Gama. Em Prazer em conhecer. As entrevsistas de Pesquisa FAPESP, org. por Maariluce Moura. São Paulo: Fapesp\Uniemp, 2004.

“Literature and Difference. A Conversation with Alfredo Bosi”. Entrevista concedida a Pedro Meira Monteiro. Em Ellipsis. Journal of the American Portuguese Association. Vol 4. New Jersey, New Brunswick, Rutgers University, 2006.

Entrevista a Informe, n.64. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP,  dezembro de 2009

“Antonio Candido mestre da mediação”. Entrevista dada a Literatura e Sociedade, n.ll. São Paulo: Depto. de Teoria Literária e Literatura Comparada da USP, 2009. 

Entrevista a Poesia Sempre, ano l6, n. 32. Concedida a Marco Lucchesi. Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, 2009.

Entrevista à Revista E, ano 16, n.7. São Paulo, SESC, janeiro de 2010.

Entrevista a Sabático, ano I, n.10. Concedida a Antônio Gonçalves Filho. O Estado de São Paulo, 15 de maio de 2010.

Entrevista à Revista da Associação dos Docentes da Universidade de São Paulo. n.56, dezembro de 2015.

Traduções

Nicola Abbagnano – Dicionário de Filosofia. São Paulo: Mestre Jou, 1970.

François Wahl – Filosofia e Estruturalismo (com Adélia B. de Meneses). São Paulo: Cultrix, 1971.

Simone Weil – “A Ilíada ou o poema da força”. Em Ecléa Bosi (org.), Simone Weil: a condição operária e outros estudos sobre a opressão. 2.ª edição. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.