Início > Acadêmicos > Lygia Fagundes Telles

Perfil da Acadêmica

Quarta ocupante da Cadeira nº 16, eleita em 24 de outubro de 1985, na sucessão de Pedro Calmon e recebida em 12 de maio de 1987 pelo acadêmico Eduardo Portella.
Cadeira: 
16
Posição: 
Atual
Data de nascimento: 
19 de Abril de 1923
Naturalidade: 
São Paulo - SP
Brasil
Data de eleição: 
24 de Outubro de 1985
Data de posse: 
12 de Maio de 1987
Acadêmico que a recebeu: 
Fotos relacionadas
Ver todas as fotos

Notícias relacionadas

Artigos relacionados

  • A Escola de Morrer Cedo

    Jornal do Brasil (Rio de Janeiro), em 25/05/2005

    Fomos morar no Rio, uma cidade nesse tempo tão fagueira e tão amena. Os sambistas cantavam ''a favela dos meus amores'', num tom ainda sentimental. Nem brincando se pensava então no ''crime organizado'' e, embora as desigualdades sociais fossem crescentes, a miséria não estava tão exposta. E os estudantes, embora meio amotinados, fizeram-me um convite lírico, para que eu fosse falar-lhes sobre os românticos.

  • Cadernos de Literatura Brasileira

    Folha de São Paulo - Revista Mais! (São Paulo), em 23/01/2005

    Com sábia percepção e delicadeza, Fernando de Franceschi e Rinaldo Gama lançam o anzol nas águas mais profundas e vem à tona, como num deslumbramento, a escritora com os seus mistérios e perplexidades. A graça meio irônica das pequenas confissões sobre a criação literária. Os depoimentos de amigos, de críticos. E a riqueza das fotos testemunhando a vida e a obra. Revelações. Uma delas me fez rir, ah, e eu que sempre pensei que aquela pesada pronúncia de "rrrs" viesse da sua origem russa. Eu me lembro, estávamos na Universidade de Cali, na Colômbia, convidadas do Congresso Sul-Americano de Escritores. Certa manhã resolvemos fugir das conferências (tão chatas!) e gazetear pela cidade ensolarada. Aqui as "esmerraldas" são lindas, ela disse. Vamos em busca das "esmerraldas"! Lembrei que o bandeirante Fernão Dias Paes era o caçador das próprias, a inspiração devia vir dele. Pois estou "inspirrada", sorriu Clarice e lá por dentro fiquei sorrindo também, tinha nascido na Ucrânia. Essa pronúncia anasalada seria ainda a antiga marca da Rússia?...Pois só agora, lendo o livro é que fiquei sabendo, em meio às pequenas confissões: ela contou que essa fala assim pesada era devido ao fato de ter a língua presa, podia ter feito a operação, mas ficou com medo da dor, o médico avisou que a operação era dolorida. Ora, essas minúcias!, dirá o impaciente leitor lúcido entortando a boca. Mas são esses detalhes que fazem o difícil tecido do ser humano e ainda é nos detalhes que encontramos Deus.

Vídeos relacionados