Início > Acadêmicos > Eduardo Portella > Eduardo Portella

Biografia

Sexto ocupante da Cadeira nº 27, eleito em 19 de março de 1981, na sucessão de Otávio de Faria e recebido em 18 de agosto de 1981 pelo Acadêmico Afrânio Coutinho. Recebeu as Acadêmicas Lygia Fagundes Telles e Zélia Gattai, Rosiska Darcy de Oliveira e os Acadêmicos Carlos Nejar, Celso Furtado, Candido Mendes de Almeida, João Ubaldo Ribeiro, Ivan Junqueira , Alfredo Bosi,  Geraldo Holanda Cavalcanti e Evaldo Cabral de Mello. Faleceu no dia 3 de maio de 2017, no Rio de Janeiro, aos 84 anos.

Eduardo Portella nasceu em Salvador (BA), em 8 de outubro de 1932. Filho de Enrique Portella e de Maria Diva Mattos Portella. Fez os primeiros estudos em Feira de Santana e os secundários no Recife. Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais pela Faculdade de Direito da Universidade Federal de Pernambuco, em 1955.

No primeiro ano do curso de Direito iniciou-se na crítica literária no Jornal Universitário, colaboração única, mas que positivou o início de uma vocação. Começou sua colaboração regular de crítico no Diário de Pernambuco, pela mão de Mauro Mota. Entrou no convívio de Gilberto Freyre, Aníbal Fernandes, Lucilo Varejão, Moacyr de Albuquerque. Fez parte do grupo de jovens intelectuais que fundou a Editorial Sagitário. É considerado o introdutor, no Brasil,  na crítica militante, da “nova crítica de base estilística” (registro de Afrânio Coutinho) e, no ensino universitário de Letras, da “compreensão ontológico-hermenêutica” (conforme Emmanuel Carneiro Leão)

De 1952 a 1954, concomitante — como permitia a lei educacional vigente naquele período — ao curso de Direito, fez estudos em instituições europeias de ensino superior. Em Madri, estudou Filologia, Romanística, Crítica Literária e Estilística com Damaso Alonso e Carlos Bousoño, e Filosofia com Xavier Zubiri e Julián Marías. Em Paris, frequentou as aulas de Bataillon, no Collège de France, e aulas na Sorbonne. Em Roma, na Faculdade de Letras, assistiu a aulas de Giuseppe Ungaretti, sobre Literatura Italiana.

Estreou em livro, em 1953,  com Aspectos de la poesía brasileña contemporânea, tese apresentada nas I Jornadas de Lengua y Literatura Hispanoamericana, em Salamanca.

Desde 1953 fez opção pela docência universitária: inicialmente em Madri, na Faculdade de Letras da Universidade Central de Madri; seguida em Recife, na Faculdade de Filosofia e Letras da Universidade Federal de Pernambuco; prosseguindo no Rio de Janeiro, na Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro, onde permaneceu conquistando todas as titulações, por concursos públicos de provas e títulos, até receber o título de Professor Emérito. Outras atividades de magistério estão registradas mais adiante nesse curriculum.

Simultaneamente ao exercício acadêmico, ocupou inúmeros e diferentes cargos públicos em seu país, desde 1956, quando foi nomeado Técnico de Educação do Ministério da Educação e Cultura, até 1979 quando exerceu a maior função desse mesmo ministério, Ministro de Estado da Educação, Cultura e Desportos. Outros diversos cargos e atividades técnicas estão registradas ao longo deste curriculum.

Sua trajetória administrativa, e funções exercidas no campo da educação e da cultura se fizeram marcar também no exterior, a partir de 1988, quando foi nomeado Diretor Geral Adjunto da UNESCO, cargo que ocupou por cinco anos consecutivos. Foi eleito, para o período de 1997-1999, pelo colegiado superior, Presidente da Conferência Geral da UNESCO. Coordena, desde 1998, o Comitê Chemins de la Pensée d´aujoud´hui (UNESCO-Paris). E foi eleito em 2000, e reeleito em 2003, Presidente do Fond International pour la promotion de la Culture (UNESCO-Paris). Destas funções se desligou em 2009, para se dedicar à edição de suas obras reunidas, publicadas e por publicar.

Deixou registrada nos anais da história a frase: “Não sou ministro, estou ministro”, demonstrando a transitoriedade do cargo público. Ao deixar o Ministério por defender a valorização dos professores, pleito da greve dos docentes da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, recebeu o apoio de intelectuais como o do Alceu Amoroso Lima, registrado em artigo no Jornal do Brasil, intitulado: «Caiu para cima»

Eduardo Portella tem um pensamento notadamente avançado: a) concebe a realidade numa recusa da tripartição linear do tempo (presente, passado, futuro), propondo a compreensão simultânea do tempo; b) define literatura e arte como dimensões constitutivas do homem; e c) assinala a Liberdade como destino do Ser.

Formação Acadêmica
 
1970 Doutor em Letras pela Universidade Federal do Rio de Janeiro
l955 Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidade Federal de Pernambuco.
1952-54 Realizou estudos de Filosofia, Filologia, Romanística, Estilística, em diferentes centros europeus (Madri, Paris)

Cargos e Funções Exercidos

2005 - Integrou, a convite e por decreto do Presidente da República, a delegação brasileira na XXII Conferência Geral da Unesco, ocasião em que a Instituição comemorava os 60 anos de fundação
2000-09 - Preside o Fond International pour la promotion de la Culture. Paris: UNESCO
1998/09 - Coordena o Comité Chemins de la Pensée aujourd´hui. Paris:UNESCO
1997/99 -  Presidente da Conferência Geral da UNESCO
1996/02 -  Presidente da Fundação Biblioteca Nacional
1988/93 - Diretor Geral Adjunto/Diretor Geral Substituto da UNESCO
Cumulativamente respondeu por Filosofia e Ciências Humanas e Sociais
1987/88 - Secretário de Estado da Cultura (Rio de Janeiro)
1985/86 - Coordenador do Comitê “Educação, Cultura e Comunicação, da Comissão de Estudos Constitucionais” da Presidência da República, que elaborou anteprojeto da Constituição do Brasil
1979/80 - Ministro de Estado da Educação, Cultura e Desportos (por proposta aprovada na primeira reunião de Ministros, ficou responsável pela gestão de Ciência e Tecnologia, pasta ainda não criada)
1978 -  Diretor da Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro
1974 -  Presidente da Sociedade Amigos do Museu de Imagens do Inconsciente (Dra. Nise da Silveira)
1968/71 -  Diretor do Departamento de Cultura do Estado do Rio de Janeiro
1961/64 -  Diretor-Executivo do Instituto Brasileiro de Estudos Afro-Asiáticos, subordinado à Presidência da República
1960/61 -  Chefe de Gabinete da Secretaria Estadual de Educação do Estado da Guanabara.
1956 - Assistente do Gabinete Civil da Presidência da República

Situação Atual 

Pesquisador do CNPq.
2002 -  Professor Emérito da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Continua lecionando na Pós-Graduação da Faculdade de Letras e da Escola de Comunicação (ECO).
2001 - Membre du Comitê Scientifique International de la Revue Internationale des Sciences Humaines, Diogène. Paris.
2000-09 - Preside o Fond International pour la promotion de la Culture. Paris: UNESCO.
1998-09 - Coordena o Comité Chemins de la Pensée aujourd’hui. Paris: UNESCO
1998 - Diretor dos Anais da Academia Brasileira de Letras.
1976 - Professor Titular, por concurso público de provas e títulos, da Universidade Federal do Rio de Janeiro.
1974- Diretor-Presidente da Organização para o Desenvolvimento da Ciência e da Cultura (ORDECC) - Colégio do Brasil
1962- Diretor da Revista Tempo Brasileiro. 42 anos de publicação sem interrupções.
1962- Diretor-Cultural das Edições Tempo Brasileiro,  Rio de Janeiro.

Atividades técnicas em educação e cultura

1997 -  Representante do Ministério da Cultura no Salon du Livre, Paris.
1993/95 - Membro do Comitê de Bioética, Paris, UNESCO
1992 - Chefe da Delegação da UNESCO na Conferência Mundial para o Desenvolvimento e Meio Ambiente (ECO), Rio de Janeiro.
1991 - Vice-Diretor para Filosofia e Ciências Humanas da UNESCO, cumulativamente.
1988 - Chefe da Delegação Brasileira na Conferência Regional de Ministros da Educação e Planificação para América Latina e Caribe, México.
1985/86 - Membro da Comissão de Estudos Constitucionais, designado pelo Sr. Presidente da República Federativa do Brasil
1983/85 - Presidente do Conselho Federal de Cultura / MEC
1980 - Chefe da Delegação do Brasil na Conferência Geral da UNESCO, em Belgrado
1980 - Vice-Presidente da Conferência Geral da UNESCO, Belgrado.
1976 Presidente da Comissão de Coordenação dos Cursos de Pós-Graduação em Letras da UFRJ (Boletim nº 41, de 10.10.1974, e Boletim. nº 8, de 19.02.1976).
1974 -  Pesquisador I-A do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).
1974/76 - Membro do Conselho Universitário da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
1969-78 Coordenador dos Cursos de Pós-Graduação da Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
1969-74 Membro do Conselho de Pesquisas e Ensino para Graduados da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
1967 Integrou o grupo de trabalho que elaborou, para o Governo Federal, o DIAGNÓSTICO PRELIMINAR  DA  CULTURA  (Ministério  do  Planejamento  e  Coordenação Geral).

Atividades de Magistério

1976 - Professor Titular junto ao Departamento de Ciência da Literatura  da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
1971 -  Professor dos Cursos de Pós-Graduação da Escola de Comunicação da UFRJ
1971/78 - Professor Titular de Literatura Brasileira da Faculdade de Humanidades Pedro II,  por decisão do Conselho Federal de Educação (Parecer nº 701/71, do CFE)
1970 -  Professor dos Cursos de Pós-Graduação da Faculdade de Letras da UFRJ, credenciado pelo Conselho Federal de Educação (Parecer nº  573/70, do CFE)
1968 -  Professor-Responsável pela Coordenação dos cursos de Teoria Literária (Portaria nº 25 de 5/9/68), da Faculdade de Letras da UFRJ
1968 /72 - Professor-Responsável pela Coordenação da disciplina Evolução da Literatura, na Faculdade de Letras, da Universidade Federal do Rio de Janeiro
1964/68 -  Professor de CULTURA BRASILEIRA, na Faculdade Nacional de Filosofia, da Universidade do Brasil, sucedendo ao Professor Alceu Amoroso Lima
1958/64 -  Professor-Assistente da cadeira de SOCIOLOGIA, na Faculdade de Filosofia e Letras, da Universidade Federal de Pernambuco.
1953/54 -  Professor-Assistente da cadeira de ESTUDOS BRASILEIROS, na Faculdade de Letras da Universidade Central de Madrid.

Outros desempenhos

Institui o Colégio do Brasil, em 1964, que tem suas atividades interrompidas em 1968. Ressurge em 1984, tendo como sociedade mantenedora a Organização para o Desenvolvimento da Ciência e da Cultura ─ ORDECC.

Discurso de abertura da Cerimônia de Entrega do Prêmio “Educação para a Paz” em Paris, conferido à guatemalteca Rigoberta Menchú. Paris, 20 de setembro de 1990.

Assinou em nome da UNESCO o Acordo Biblioteca Alexandrina. Paris, 26 de outubro de 1990.

Participou dos trabalhos da reunião de experts sobre o projeto “UNESCO Tchernobil”. Moscou, 19 a 23 de junho de 1991.

Participou da Comissão do Prêmio MINC de Cultura em várias categorias. Brasília, Ministério da Cultura, 1995.

Participou da Comissão do Prêmio ensaio da Biblioteca Nacional. Rio de Janeiro, 1995.

Participou da Comissão organizadora do I Encontro Nacional de Cultura Contemporânea. Brasília, Ministério da Cultura, l995.

Membro da Comissão do Ministério da Cultura que fixou critérios e prioridades para financiamento privado na área do Patrimônio Histórico. Brasília, MINC, l995.

Elaborou, como relator, o parecer do Prêmio Luís de Camões. Brasília, 15/04/1996.

Representou o MINC no Salon du Livre. Paris, de 11 a 14 de março de l997.

Promoveu eventos e fez a apresentação do tema, nas exposições ocorridas no Rio de Janeiro, sobre:
 • Linguamares (28/08/96)
 • João de Barros e o cosmopolitismo no renascimento (13/11/96)
 • Gregório de Matos (11/12/96)
 • José de Anchieta (1997)
 •  Antônio Vieira (1998)
 
Presidência do Grupo de Reflexão Encarregado do Estudo das Condições de Atribuição do Direito de Voto aos Estados Membros visados pelo artigo IV.C, parágrafo 8 (c), do Ato Constitutivo da UNESCO. Paris – França, reuniões de 10 a 12 de narço; 11 a 13 de maio; e a de 7 a 9 de outubro de 1998.

Abertura da exposição Le Corbusier e a América do Sul, realizada sob patrocínio da UNESCO. Rio de Janeiro, 11 de Dezembro de 1998.

Membro do Conselho do Futuro da UNESCO. Paris, julho de 1999.

Membro do júri internacional do Prêmio Luis de Camões reunido em Lisboa, Palácio da Ajuda, 15 a 20 de julho de 1998.

Membro do júri internacional do Prêmio Luis de Camões reunido em Salvador de 9 a 10 de junho de 1999.

Participou das homenagens do Conselho  Executivo  da  UNESCO  a   M. Federico Mayor. Paris – França, 22 de outubro de 1999.

Membro do Comitê de Honra da Semana Cultural Chinesa promovida pela UNESCO. Paris – França, de 1 a 12 de Setembro de 1999.

Participou do projeto especial “Como vai a literatura brasileira?”. Rio de Janeiro: X Bienal Internacional do Livro no RJ, 25/05/2001.

Membro da delegação para representar o Brasil na 31ª Sessão da Conferência Geral da UNESCO. Paris, 15/10 a 3/11/2001.

Criou e Presidiu o Núcleo de Pesquisas Interdisciplinares (NUPLIN) na FBN, que teve como linha mestra “A cultura brasileira  na Biblioteca Nacional (1996─2002).

Coordenou a mesa-redonda “Os herdeiros de Cervantes”. Rio de Janeiro: X Bienal Internacional do Livro no RJ, 20/05/2001.

Coordenação de Congressos/Seminários Internacionais

Promoveu a reunião internacional Turismo Cultural na América Latina e no Caribe, patrocinada pela UNESCO, a Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro/Secretaria Municipal
de Cultura e o Colégio do Brasil. Rio de Janeiro, 23 a 25 de agosto de 1996, visando a consolidação progressiva da Cátedra UNESCO Cidade e Meio Ambiente (Colégio do
Brasil/ORDECC). Busca promover cultura de base interdisciplinar em matéria de desenvolvimento de cidade e de meio ambiente.

Coordenador da Reunião de Lisboa do Projeto Caminhos do Pensamento Hoje: Novas Linguagens no Limiar do Terceiro Milênio – UNESCO-COLÉGIO DO BRASIL-ORDECC.

Lisboa, 13-17 de julho de 1998. Participaram desta reunião, além de Eduardo Portella: Eduardo Lourenço, Eduardo Prado Coelho, Rafael Argullol, Gianni Vattimo, Rafael
Gutierrez Girardot, Michel Maffesoli, Frances Albernaz.

Coordenador da Reunião de Paris do Projeto Caminhos do Pensamento Hoje: Nouveaux langages à l´aube du nouveau millénaire – UNESCO-COLÉGIO DO BRASIL-ORDECC.

Paris, 10-11 de fevereiro de 1999. Participaram desta reunião, além de Eduardo Portella: Françoise Rivière, Georges Kutukdjian, Rafael Argullol, Zaki Laïdi, Henri
Lopes, Eduardo Lourenço, Michel Maffesoli, Victor Massuh, Gianni Vattimo, José Vidal Beneyto, Rafael Gutierrez Girardot, Frances Albernaz.

Coordenador da Reunião do Rio do Projeto Caminhos do Pensamento Hoje: Novas Linguagens no Limiar do Terceiro Milênio – UNESCO-COLÉGIO DO BRASIL-ORDECC. Rio de Janeiro – Academia Brasileira de Letras, 22-23 de abril de 1999. Participaram desta reunião, além de Eduardo Portella: Eduardo Prado Coelho, Jean Baudrilhard, Rafael Argullol, Emmanuel Carneiro Leão, Muniz Sodré, Ronaldo Lima Lins, Flavio Beno Siebeneichler, Beatriz Rezende, Ronaldes de Melo e Souza, Frances Albernaz, Claudius Waddington.

Presidiu o Colóquio Internacional sobre Société, Connaissance et savoir-faire, promovido pelo Istituto Italiano per gli Studi Filosofici e pela UNESCO.  Nápoles:  6-7/12/2001.

Coordenador da Reunião do Rio do Projeto Caminhos do Pensamento Hoje: Horizontes da Memória. Rio de Janeiro: UNESCO/Colégio do Brasil/Fundação Biblioteca Nacional, 2-
6/09/2002.

Presidiu o Colóquio Internacional sobre “Humanismos Emergentes”, no Egito/Biblioteca de Alexandria, promovido pela UNESCO/Paris: Comitê Caminhos do
Pensamento Hoje, e Colégio do Brasil, de 9  de dezembro de 2003.

Sociedades a que pertence

• Hispanic Society of America (New York)
• Academia Brasileira de Letras (Rio de Janeiro)
• Academia Brasileira de Educação (Rio de Janeiro)
• Instituto de Ciencias del Hombre (Madrid)
• Académie Européenne des Arts, des Sciences et des Lettres (Paris)
• Casa de América (Madrid)
• Société Européenne de Culture (Veneza)
• Société des Amis de Michel de Montaigne (Paris)
• EA Poe Society of Baltimore (USA).

Honrarias recebidas

Prêmio de Crítica Literária da Academia Brasileira de Letras em 1959.
Prêmio de Renovação da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, em 1959.
Recebeu o Prêmio Golfinho de Ouro Literatura, do Museu da Imagem e do Som, em 1959. Premiação outorgada pelo Conselho de Cultura do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro.
Prêmio Fernando Chinaglia, da União Brasileira de Escritores, em 1971.
Grã-Cruz da Ordem do Rio Branco (Brasília, 1979).
Grande-Oficial da Ordem do Mérito Militar (Brasília, 1979).
Grande-Oficial da Ordem do Mérito Aeronáutico (Brasília, 1979).
Grande-Oficial da Ordem do Mérito Naval (Brasília, 1979).
Gran-Cruz de la Orden Civil de Alfonso X El Sábio (Madrid, 1980).
Doutor Honoris-Causa pela Universidade Federal do Ceará (1981).
Doutor Honoris-Causa pela Universidade Federal da Bahia (1983).
Medalha dos "25 anos do Conselho Federal de Educação", concedida aos Ex-Ministros de Educação (Brasília, 1987).
Prêmio de Ensaio para conjunto da obra, outorgado pelo PEN Clube do Brasil, em 1987.
Medalha Joaquim Nabuco, recebida em cerimônia promovida e realizada na Assembléia Legislativa do Estado de Pernambuco, Recife, 1999.
Medalha Rui Barbosa, recebida na Fundação Casa de Rui Barbosa, Rio de Janeiro, por ocasião da comemoração do Dia da Cultura em novembro de 1998.
Grande Medalha de Ouro da UNESCO, por serviços prestados àquela instituição, das mãos do Diretor Geral da UNESCO Koïchiro Matsuura, por ocasião da transmissão do cargo de Presidente da Conferência Geral da UNESCO. Paris, outubro de 1999.
Medalha dos 70 Anos do MEC, outorgada aos ex-Ministros da Educação. Brasília: Palácio do Planalto, 7/11/2000.
Doutor Honoris-Causa pela Universidade Federal do Espírito Santo (2001).
Gran Cruz do Mérito Civil, pela Espanha, em 26/06/2001.
Recebeu o título de Professor Emérito da UFRJ, em cerimônia presidida pelo Reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Prof. Carlos Lessa, em 18/09/2002.
Foi homenageado na Academia Brasileira de Letras através da mesa-redonda “ 70 anos de Eduardo Portella” . Rio de Janeiro, 10/10/2002.
Doutor Honoris-Causa pelo Instituto Brasileiro de Medicina e Reabilitação (IBMR) (2004).
Medalha Antônio Houaiss, outorgada pelo Sindicato dos Escritores do Rio de Janeiro, 2004.