Início > Acadêmicos > Candido Mendes de Almeida

Perfil do Acadêmico

Quinto ocupante da Cadeira nº 35, eleito em 24 de agosto de 1989, na sucessão de Celso Cunha e recebido em 12 de setembro de 1990 pelo Acadêmico Eduardo Portella. Recebeu os Acadêmicos Darcy Ribeiro, Cícero Sandroni e Hélio Jaguaribe.
Cadeira: 
35
Posição: 
Atual
Data de nascimento: 
3 de Junho de 1928
Naturalidade: 
Rio de Janeiro - RJ
Brasil
Data de eleição: 
24 de Agosto de 1989
Data de posse: 
12 de Setembro de 1990
Acadêmico que o recebeu: 
Fotos relacionadas
Ver todas as fotos

Notícias relacionadas

Artigos relacionados

  • Nossa exaustão ideológica

    Jornal do Comércio (RS), em 21/08/2017

    Na busca do “virar de página” na nossa vida política, delineia-se, de saída, o abate das lideranças conspícuas, sobretudo a partir das esquerdas. Aí está o processo do senador Lindbergh Farias (PT-RJ), afastando-o, por agora, de toda contenda. Da mesma forma, pergunta-se pela emergência do PSB, depois da morte de Eduardo Campos. O partido, nos seus atuais comandos, diverge na radicalidade do confronto com o status quo. O DEM, por outro lado, tenta congraçar os minipartidos, à custa do que possa ser ainda a semente do diferente ou do novo, que, via de regra, se gera nas pequenas legendas.

  • Status quo velho e novo

    O Globo, em 31/07/2017

    No atual quadro, perde-se o impacto das alegadas melhorias econômicas
    No jogo de forças enfrentado pelo status quo, mais se acentua a irrelevância, a esta altura, da saída de Temer. Assenta-se, sim, a força do delineio do regime na liderança irretorquível de Henrique Meirelles. E seu contraponto seria a interinidade de Rodrigo Maia até as eleições de 2018. Enquanto isso, não se sabe nem até onde vai a nova avalanche de condenações prometida pela Lava-Jato, nem se avançam demissões sucessivas dos ministros.

  • À busca de Macron

    O Dia, em 30/06/2017

    A vitória contundente de Macron nas eleições fran- cesas não é mera alterna- tiva de preferências eleitorais, mas uma nítida ‘virada de pági- na’ na condução política do país.