Início > Publicações > Correspondência Completa de Casimiro de Abreu

Correspondência Completa de Casimiro de Abreu (2007. 271 pp.)

Mário Alves de Oliveira

Essa publicação faz parte da coleção Coleção Afrânio Peixoto

“Há muitas controvérsias envolvendo a vida de Casimiro de Abreu. Uma das mais persistentes, das que mais têm despertado a curiosidade dos que se interessam pela sua história, é a que se refere ao local do seu nascimento, que ele próprio, sutilmente, fez questão de camuflar. Já houve quem o desse como nascido em cinco ou seis diferentes pontos do território fluminense. E como seria motivo de orgulho para qualquer município saber-se berço natal do autor de Primaveras, é compreensível que a velha questão siga rendendo seus frutos. Depois de quinze anos de obstinadas pesquisas, depois de ler quase tudo que se escreveu a respeito, devo dizer que, hoje, se me perguntarem: "Afinal de contas, onde nasceu Casimiro?", responderei sem pestanejar que foi em Rio das Ostras. Mas se me pedirem a resposta por escrito e com a firma reconhecida em cartório, me negarei a dá-Ia, por não dispor de um documento que a comprove expressamente. Nisso, contudo, não me diferencio em nada dos demais biógrafos do poeta, uma vez que, pelo existe de provas documentais, ninguém pode, de modo honesto e seguro, reconhecer a firma em cartório. Nisso estamos quites.”

“O cenário em que se desenrola a infância de Casimiro é mais amplo do que sempre se supôs. Ele inclui Rio das Ostras (onde o poeta teria nascido, a julgar pelos muitos e fortes indícios que existem), Barra de São João (onde foi batizado, alfabetizado, e sepultado ao lado do pai), lndaiaçu, hoje a cidade de Casimiro de Abreu (que ele freqüentou, e onde morreu em 18 de outubro de 1860), além de alguns lugares da antiga e vizinha Freguesia de Nossa Senhora do Amparo de Correntezas, em Capivari, hoje Silva Jardim (RJ), como Rio do Ouro ( onde ficava a fazenda da mãe), Corridos (onde vivia o tio paterno Claudino Antônio Marques de Abreu), Madruga (dentro da atual Reserva Biológica Nacional de Poço das Antas, onde viviam a avó materna, Joaquina das Neves Silva e Pinto, e o tio materno, Manuel Joaquim Pinto Osório) e o deslumbrante Salto d'Água, onde vivia o outro tio materno, José Joaquim Pinto Osório, e onde existe uma tranqüila e bela cachoeira, provavelmente a mesma em que, nos versos de "No lar", o poeta disse haver-se banhado em seu cansaço infantil. Casimiro passou metade da existência no vale do São João: de 4 de janeiro de 1839, quando veio ao mundo, ao dia IS de julho de 1849, quando, levado pelo pai, a bordo do patacho Fluminense, deixou para trás as verdes paisagens da aurora da sua vida e tomou a direção do Rio de Janeiro. Estava, na verdade, sendo expulso do paraíso. Daí em diante, sua vida entraria por trilhas imprevistas e ele iria, acima de tudo, revelar-se poeta. Não um poeta qualquer, como tantos que surgiram nessa fase de formação da literatura brasileira, mas um dos maiores e mais amados que a língua portuguesa produziu.” (Mário Alves de Oliveira)

Ficha da Obra

Autores: 
Mário Alves de Oliveira
ISBN: 
978-85-7440-205-5
Ano: 
2007
Páginas: 
271
Leia a obra completa: