Início > Artigos > Vinícius de Moraes: linguagem poética

Vinícius de Moraes: linguagem poética

Sempre que me toca reler a poesia de Vinicius de Moraes, mais me convenço de que até hoje não lhe fizeram a devida justiça, seja por indigência exegética seja por preconceito literário. É claro que não se pode situá-lo no mesmo nível de Cecília Meireles, Bandeira, Drummond, Jorge de Lima, Dante Milano e João Cabral de Melo Neto, mas é que Vinicius, quer pelo domínio da língua - e das boas tradições da língua - quer pela pujança de sua linguagem poética, cultivou uma vertente lírica dentro da qual são poucos, ou muito poucos, os que dele lograram se aproximar. Há nos versos do autor uma tragicidade tão intensa e dolorosa que nem o humour nem a participação social de seus últimos poemas serão capazes de apagar.


Vinicius de Moraes será sempre, e acima de tudo, o poeta do amor e da morte. E talvez por isso mesmo seja ele o poeta mais emblemático de sua época, assim como o foram Baudelaire e Dylan Thomas, aquele que com maior desassombro e autenticidade encarnou o mito de Orfeu, descendo aos infernos da vida e da morte em busca de sua Eurídice, que foram muitas e talvez nenhuma. Seu trânsito tardio para a música não é, portanto, fortuito, mas uma destinação que, sob muitos aspectos, se confunde com a danação fáustica, como o atesta não propriamente o decisivo papel que desempenhou na evolução do nosso cancioneiro popular, mas a urdidura poético-dramática que sustenta o seu Orfeu da Conceição.


Como todos os da sua geração de 1930, Vinicius de Moraes é um dos mais característicos herdeiros do Modernismo de 1922, tendo levado ao ápice, como bem assinala Sérgio Milliet, ''os vícios e as virtudes da escola''.


Não será necessário muito esforço para compreender por que Vinicius de Moraes é, até hoje, um dos nossos poetas de maior aceitação popular.


Foi no soneto a forma em que ele alcançou talvez seus momentos mais altos e duradouros como poeta.


A partir do momento em que, já dominados os segredos da linguagem poética de Vinicius de Moraes, aí por volta de 1940, cristaliza-se também sua concepção estética quanto ao soneto, até então hesitante e nebulosa.


E aí chegamos ao primeiro dos sonetos integralmente resolvidos de Vinicius de Moraes, um dos mais belos de qualquer língua ou literatura, o ''de fidelidade'', cuja cadência decassilábica é no mínimo encantatória e no qual se harmonizam todas as virtudes expressivas que o poeta conquistara em termos de linguagem poética, como nos tercetos seguintes:


E assim, quando mais tarde me procure


Quem sabe a morte, angústia de quem vive


Quem sabe a solidão, fim de quem ama


 


Eu possa me dizer do amor (que tive):


Que não seja imortal, posto que é chama


Mas que seja infinito enquanto dure.


Pergunte-se a qualquer modesto ou fugaz leitor de poesia se não lhe ecoam para sempre na memória esses dois últimos versos. E por quê? Porque neles o milagre da poesia ocorre não apenas graças à magia verbal que os anima, mas também a uma experiência amorosa que transcende o âmbito pessoal da sensibilidade do poeta para tornar-se um bem comum de que todos partilham, uma doação que se recebe no nível de uma língua comum.


Aí a razão pela qual os sonetos de Vinicius fazem dele um clássico do nosso idioma. Ele morreu há 25 anos e, como poeta, - não como compositor popular - mergulhou naquela zona de silêncio e sombra em que costumam ser tragados os escritores após os dez ou vinte anos de sua morte.


Durante esse tempo, muitos equívocos e incompreensões se acumularam e o autor das Cinco elegias não foge à regra. Chamá-lo, como hoje ainda o chamam, de ''poetinha'' não condiz em absoluto com a grandeza dos seus versos. Cumpre assim que resgatemos, já e já, sua condição de alto poeta, que transcendeu os limites do tempo e que, numa antevisão de sua trajetória rumo à posteridade, escreveu um dia:


Ando onde há espaço,


meu tempo é quando.




Jornal do Brasil (Rio de Janeiro) 21/12/2005

Jornal do Brasil (Rio de Janeiro), 21/12/2005