Início > Artigos > Exemplo de persistência e opção pelos pobres

Exemplo de persistência e opção pelos pobres

"É um dos mais profundos paradoxos da vida que um homem se torne tanto mais plenamente ele próprio do que quando ele pense menos em si".


(Romano Guardini)


Hoje, o Vaticano se engalana para a canonização da primeira santa brasileira, madre Paulina do Coração Agonizante de Jesus, nascida Amabile Lucia Visintainer, em 16 de dezembro de 1865, em Vígolo Vattaro, Trento. Desta cidade, situada no Norte da Itália, a menina de nove anos aportou em terra brasileira para, em nosso chão sofrido, construir o seu percurso de santidade.


A família emigrou para Santa Catarina e fixou raízes em Nova Trento. A jovem de apenas 25 anos passou a se devotar aos doentes e fundou a primeira congregação religiosa feminina no Brasil, como o nome de Filhas da Imaculada Conceição. Daí em diante o fervor da jovem só fez opulentar-se em sua genuína opção preferencial pelos pobres. Com o organismo combalido pelo diabetes, a santa teve o braço direito amputado e ficou cega, mas a luz da fé continuou a lhe orientar os passos decididos, mesmo quando se viu deposta pela autoridade eclesiástica, em 1909. Nove anos de provação, de verdadeira humilhação, não arrefeceram o seu empenho em prosseguir na senda do Crucificado até a sua morte, ocorrida em 9 de julho de 1942.


Que significação pode ter para o Brasil a elevação aos altares de sua primeira santa? Temos um modelo de virtudes heróicas, um farol a alumiar nosso caminhar, no momento em que, contrariamente à interpretação fria e às vezes subjetiva de estatísticas, a religião católica vem crescendo em expressão de fé autêntica. Superou a acomodação e o conformismo da mera tradição extrínseca para se adentrar na alma dos fiéis que, hoje, vivem intensamente a sua fé e a transbordam, sem qualquer laivo de fanatismo, com isso oferecendo exemplos frisantes da riqueza intrínseca da mensagem que há dois milênios vem pregando a caridade como virtude maior.


A fé cristã e a língua portuguesa cimentaram a nacionalidade e seguem firmes como garantias maiores da identidade brasileira.


 


Jornal do Brasil (Rio de Janeiro - RJ) em 19/05/2002

Jornal do Brasil (Rio de Janeiro - RJ) em, 19/05/2002