Início > Artigos > Academia de Marinha do Brasil

Academia de Marinha do Brasil

A ideia surgiu num encontro com almirantes brasileiros, por iniciativa do vice-almirante Antônio Garcez Faria, diretor de Ensino da nossa Marinha. Estranhei que, decorridos tantos anos, não tivéssemos uma Academia de Marinha do Brasil, à semelhança da que existe em Portugal, desde o ano de 1978, hoje presidida pelo almirante Francisco Vidal de Abreu.

País de extenso litoral (mais de 9 mil km) e um oceano de rica história, em que se inclui uma guerra mundial, são muitas e variadas as ocorrências que merecem registros numa Academia bem constituída.

Não iremos simplesmente copiar a instituição portuguesa. A estrutura deve ser condizente com a realidade brasileira, por isso a AMB poderia ter 40 membros efetivos, à semelhança da Academia Brasileira de Letras, que está comemorando 120 anos de belas realizações. Deveríamos de início selecionar 40 patronos ligados à nossa Marinha, como o almirante Álvaro Alberto e o almirante Paulo de Castro Moreira da Silva o primeiro, pioneiro da ciência brasileira, e o segundo, o maior especialista que tivemos em Oceanografia, dois exemplos bem significativos de extraordinárias figuras identificadas com a nossa cultura marinheira.

Numa etapa seguinte, selecionaríamos os 40 membros fundadores, reservando-se cota para personalidades, não necessariamente da Marinha do Brasil, mas às quais muito deve a História do Brasil (no máximo cinco). A escolha atenderia a setores como a História Marítima e a seção de Letras, Artes e Ciências, além de ser também reservada uma vaga para a nossa Marinha Mercante.

Seria de toda conveniência lembrar um slogan para a AMB. A Academia de Marinha de Portugal, por exemplo, tem como slogan a frase "Por mares nunca de outro lenho arados", um verso de 'Os Lusíadas', de Camões.

Prêmios a dignidades acadêmicas para incentivo no campo da investigação científica, além de manifestações de letras e artes, patrocinados por verbas oficiais ou não, seriam objeto de decisões da AMB. Seria igualmente de toda conveniência elaborar um Plano de Ação Cultural, em que seriam previstas conferências e ciclos sobre temas ligados à nossa Marinha.

Quando for viável e houver recursos para tal, seria criada a Biblioteca Almirante Álvaro Alberto, de temas ligados à Marinha do Brasil, particularmente à sua história.

Dentre as atividades predominantes da AMB poderá figurar o enlace com entidades congêneres, como a Academia Brasileira de Letras, a Academia de Marinha de Portugal, o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro etc.

Com a anuência dos almirantes presentes e mais a adesão de outros como o almirante de esquadra Ilques Barbosa Jr., diretor de Pessoal da Marinha do Brasil, ficou acertado que os estudos serão ativados, se possível para que a Academia de Marinha do Brasil possa funcionar plenamente já no ano de 2018.

O Dia, 27/10/2017